Essas gavinhas de células nervosas humanas se transformaram em vidro há quase 2.000 anos

ANÚNCIO

Quase 2.000 anos atrás, uma nuvem de cinzas escaldantes do Monte Vesúvio enterrou um jovem deitado em uma cama de madeira. Aquela cinza em chamas esfriou rapidamente, transformando parte de seu cérebro em vidro.

Essa confluência de eventos em 79 d.C. na cidade de Herculano, que ficava na base oeste do vulcão, preservou o tecido neural geralmente delicado em uma forma vítrea durável. 

ANÚNCIO

Um novo escrutínio deste tecido revelou sinais de células nervosas com gavinhas elaboradas para enviar e receber mensagens, os cientistas relatam 6 de outubro na PLOS ONE.

Que o jovem já possuiu essas células nervosas, ou neurônios, não é surpresa; os cérebros humanos são embalados com cerca de 86 bilhões de neurônios. Mas as amostras de cérebros antigos são esparsas. 

Essas gavinhas de células nervosas humanas se transformaram em vidro há quase 2.000 anos
Foto: (reprodução/ internet)

Aqueles que existem tornaram-se uma substância semelhante a uma fuligem ou mumificados, diz Pier Paolo Petrone, biólogo e antropólogo forense da Universidade de Nápoles Federico II, na Itália. 

ANÚNCIO

Mas enquanto estudava o local de Herculano, Petrone percebeu algo escuro e brilhante dentro do crânio deste homem. Ele percebeu que aqueles fragmentos vítreos e negros “deviam ser os restos do cérebro“.

Petrone e seus colegas usaram microscopia eletrônica de varredura para estudar restos de vidro do cérebro e da medula espinhal do homem. Os pesquisadores viram estruturas tubulares, bem como corpos celulares com os tamanhos e formas corretos para serem neurônios. 

Em análises posteriores, a equipe encontrou camadas de tecido em volta de gavinhas no tecido cerebral. Essa camada parece ser mielina, uma substância gordurosa que acelera os sinais ao longo das fibras nervosas.

O tecido preservado era “algo realmente espantoso e incrível”, diz Petrone, porque a conversão de objetos em vidro, um processo denominado vitrificação, é relativamente raro na natureza. “Esta é a primeira descoberta de um cérebro humano antigo que permanece vitrificado por cinzas quentes durante uma erupção vulcânica.

Leia Também:Passarinho bebês ganham resistência quando seus pais as chutam do ninho

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Science News

ANÚNCIO