Explorador encontra avião espião da CIA fora da Área 51 que caiu em 1967

ANÚNCIO

“Oxcart” foi um apelido estranho para o avião que matou o piloto Walter Ray. Oxcarts são lentos, incômodos e velhos. O jato A-12 de Ray, por sua vez, era rápido, quase invisível e inovador. Entre as primeiras tentativas dos EUA de aviões furtivos, ele podia viajar tão rápido quanto uma bala de fuzil e voar em altitudes de cerca de 90.000 pés. 

Explorador encontra avião espião da CIA fora da Área 51 que caiu em 1967
Foto: (reprodução/internet)

Em 5 de janeiro de 1967, aquele único espaço pertencia a Ray, um jovem de 33 anos de idade que passou seus dias de trabalho dentro da Área 51, no deserto de Nevada, nos Estados Unido, a então instalação de pesquisa avançada de aviação da CIA.  O agora famoso local feito para boas pistas de decolagem, e era suficientemente remoto para manter os olhos curiosos fora dos projetos secretos da Guerra Fria

ANÚNCIO

Nos livros, Ray foi um piloto civil da Lockheed Martin. Na realidade, e em segredo, ele trabalhava para a CIA.

O misterioso desaparecimento do Oxcart

O jato decolou para seu voo de quatro horas para a Flórida e voltou um minuto antes do horário às 11:59 da manhã em janeiro de 1967, as curvas elegantes do corpo de titânio do Oxcart provocando ondas de choque sônicas enquanto ele cortava a atmosfera. Ele tinha feito isto muitas vezes, tendo já registrado 358 horas de voo em jatos.

Explorador encontra avião espião da CIA fora da Área 51 que caiu em 1967
Foto: (reprodução/internet)

Às 15h22, Ray voltou a rádio para a base: Sua gasolina estava com nível baixo. “Eu não sei para onde foi meu combustível”, disse ele. Ele diminuiu a velocidade, na esperança de economizar algum combustível. Mas a mudança de altitude não poderia cortar seu consumo o suficiente. Trinta e oito minutos depois, Ray transmitiu mais más notícias.

ANÚNCIO

Leia mais: Mergulhadores que exploram o Titanic tornaram uma nova descoberta “profundamente chocante”?

As luzes de baixa pressão do tanque de combustível tinham piscado. Os motores a jato A-12′s – tão potentes que o diretor da inteligência central disse uma vez que soavam como se “o próprio Diabo estivesse explodindo diretamente do Inferno” – começaram a falhar, e depois cuspiram para fora. Às 4:02, Ray enviou sua transmissão final: Ele ia se ejetar.

Os exploradores do deserto

Durante anos, os locais do acidente de Ray permaneceram em grande parte escondidos do público. Mas no final dos anos 90, um explorador chamado Jeremy Krans começou o que se tornaria uma busca de décadas para desvendar tudo isso e, finalmente, tornar pública a vida outrora classificada de Ray. 

Krans teve um passatempo que lhe deu as habilidades para fazer algo a respeito: a exploração urbana, às vezes chamada de “urbex” pelos iniciados. 

É a arte de aventurar-se dentro e em torno de estruturas abandonadas ou escondidas, urbanas ou não, e esse foi o motivo que o levou a descobrir o perdido jato da CIA.

A descoberta da área 51

Numa viagem de Krans em 2009, ele trouxe mãos velhas e recém-chegadas. Uma pessoa perguntou a Krans se – depois de tantos anos sem ver – ele esperava simplesmente subir e descobrir o local do acidente. 

“Sim”, disse Krans ao redor da fogueira, um charuto na boca e uma cerveja quase vazia na mão. “Já estive aqui muitas vezes e conheço muitos lugares que não era”, escreveu ele para o Roadrunners

Leia também: Homem rouba espada de General Revolucionário de Guerra e devolve após 40 Anos

Na manhã seguinte, os comandantes começaram sua busca onde o grupo havia parado no ano anterior. Aconteceu logo em seguida: Quando Krans estava subindo um tiro de lavagem, algo de aspecto sintético chamou sua atenção. Inclinando-se para baixo, ele o pegou. Era um artefato do A-12.

Os outros começaram a procurar, e logo encontraram as peças. Eles estavam bem no meio do campo de destroços, deixados dispersos pela tragédia mais de 40 anos atrás.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Popular Science, Roadrunners

ANÚNCIO