Fatos sobre o furacão em Saturno

ANÚNCIO

A tempestade semelhante a um furacão em Saturno é uma das descobertas factuais mais convincentes da NASA sobre um planeta em nosso sistema solar até hoje.

Avistada pela primeira vez pela nave espacial da NASA Cassini, esta enorme tempestade em Saturno se parece muito com um dos furacões da Terra.

ANÚNCIO

Os furacões da Terra geralmente têm um olho pequeno rodeado por uma banda externa maior.

No entanto, o centro da tempestade em Saturno tem aproximadamente 2012 quilômetros de largura.

Essa é a distância entre Dallas e Washington D.C. ou grande o suficiente para cobrir o Reino Unido doze vezes!

ANÚNCIO

Isso é vinte vezes maior do que o centro de um furacão médio da Terra e a faixa externa pode ser vista por vários milhares de quilômetros a mais.

As velocidades do vento são maiores no que é conhecido como o “olho central” do furacão.

Normalmente, em um furacão, as velocidades do vento são mais altas no que é conhecido como o “olho central” do furacão e mais fracas próximo às bordas do anel externo.

A velocidade do vento no limite externo do furacão de Saturno chega a 530 km/h.

No olho central da tempestade, eles são quatro vezes mais rápidos do que os ventos mais rápidos registrados na Terra, sendo estes os ventos do furacão Camille que atingiu os Estados Unidos em 1996 e mediram cerca de 305 km/h.

Normalmente, um furacão se alimenta do vapor de água das águas quentes do oceano na Terra, que é o que dá a um furacão a energia necessária para se desenvolver.

No entanto, não há nenhuma grande massa de água no planeta Saturno, e sua tempestade se alimenta das pequenas quantidades de vapor d’água encontradas na atmosfera de hidrogênio de Saturno.

O furacão de Saturno parou …

Os furacões da Terra também são normalmente formados no tropical e movem-se para o norte devido a algo conhecido como efeito Coriolis, no qual a rotação da Terra dá uma aceleração que puxa a tempestade em direção aos polos, principalmente o Polo Norte.

A tempestade de Saturno já está situada sobre o Polo Norte do planeta e, portanto, está estacionária, sem nenhum outro lugar para ir.

Isso levou os cientistas da NASA a acreditar que a tempestade em Saturno poderia ter durado anos.

Somente em 2009 o Sol voltou a brilhar no hemisfério norte de Saturno, permitindo à Cassini tirar fotos da enorme tempestade.

Como Saturno leva 29 anos (Terra) para orbitar o Sol, todo o hemisfério norte do planeta está em escuridão total desde a chegada da Cassini ao planeta em 2004.

Os cientistas da NASA continuarão a estudar a tempestade terrestre semelhante a um furacão.

Apesar do fato de que difere em tamanho, força e fonte de energia de um furacão na Terra, ele carrega características semelhantes, como um olho central sem nuvens, um giro no sentido anti-horário no hemisfério norte e nuvens altas que circundam o olho da tempestade.

Leia também: 5 fatos sobre a maior lua de Netuno

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: The Facts Site

ANÚNCIO