Fazenda de polvos pode se tornar uma realidade. Cientistas alertam que esta não é uma boa ideia

ANÚNCIO

Alguns pesquisadores desejam cultivar polvo comercialmente há décadas. Desde a tentativa de criar filhotes até o armazenamento de invertebrados selvagens em gaiolas submersas, os cientistas têm tentado uma série de técnicas para cultivar campos aquáticos com acesso sob demanda às criaturas elusivas.

O mais próximo que os pesquisadores chegaram foi a captura de polvos selvagens por alguns meses de criação em cativeiro antes da colheita. Hoje, ainda não há fazendas de polvos funcionais criando criaturas marinhas de filhotes em operação – e é assim que alguns pesquisadores argumentam que as coisas deveriam permanecer.

ANÚNCIO

Em 2019, um punhado de cientistas começou a levantar questões sobre as questões éticas e ecológicas que poderiam advir da criação desses animais incrivelmente inteligentes.

Pesquisa inusitada sugere que polvos são criaturas alienígenas - Revista  Galileu | Meio Ambiente
Foto: (reprodução/ internet)

Falar sobre essas preocupações antes que a criação de polvos se tornasse uma realidade era parte do ponto, diz Jennifer Jacquet, uma cientista interdisciplinar da Universidade de Nova York. “Nosso objetivo era criar esse diálogo antes que [a criação de polvos] se incorporasse à nossa sociedade”, diz ela.

A agricultura atende à demanda

O desejo de fazer esse tipo de aquicultura funcionar se intensificou recentemente, em parte porque o apetite pelo polvo cresceu.

ANÚNCIO

Se os níveis de colheita relatados forem precisos – e em alguns casos, eles provavelmente subestimam os níveis reais de pesca – a quantidade de polvo retirado dos oceanos quase dobrou entre 1980 e 2014.

O polvo cultivado, alguns argumentam, poderia aliviar as pressões sobre as populações selvagens, que são solteiras atendendo prontamente às demandas do mercado. Alguns cientistas especulam que as populações globais de polvos estão crescendo, mas populações selvagens específicas em locais ao redor do mundo correm o risco de colapso devido à colheita excessiva.

Para aqueles que são contra a criação de polvos, a necessidade de atender à demanda não é um motivo bom o suficiente para tornar esses empreendimentos uma realidade.

O polvo é principalmente uma iguaria – não é normalmente um ingrediente do qual as comunidades com insegurança alimentar dependem. Esse status significa que o polvo provavelmente não precisa estar disponível em níveis recordes por meio da agricultura, Jacquet e seus colegas apontam.

Sem esses moluscos criados em cativeiro, “isso não significa que a segurança alimentar será prejudicada”, eles escrevem em uma de suas cartas públicas sobre o assunto. “Isso significará apenas que os consumidores ricos pagarão mais por polvos selvagens cada vez mais escassos.

Questões Éticas

Em vez disso, alguns argumentam, as considerações éticas de criar esses animais altamente inteligentes em cativeiro devem ter prioridade sobre o desenvolvimento de nichos de mercado.

Os polvos são espertos. Os moluscos de oito patas resolvem quebra-cabeças e escapam de recintos complicados, e podem até transformar conchas, pedras e outras partes de seu ambiente em ferramentas.

Criar essas criaturas em ambientes confinados que podem privá-las de ambientes mais amplos que gostam de explorar é um passo longe demais, diz Jacquet.

Leia também: Terra quebra recorde de calor em setembro, pode atingir o ano mais quente

A perspectiva de condições de vida de baixa qualidade para toda a vida é parte do motivo pelo qual alguns ecologistas assinaram uma carta contra a criação de polvos que conquistou mais de 100 co-signatários e foi publicada no jornal Animal Sentience.

Para alguns, a pesca do polvo – capturar os indivíduos na natureza – é eticamente aceitável, pois os animais vivem uma vida normal antes da captura. “Algumas pessoas queriam assinar nossa carta porque éramos sobre polvos cultivados”, diz Jacquet.

Eles não teriam assinado a pesca de captura selvagem.” Para aqueles que eram contra a agricultura, o fator convincente era, como Jacquet coloca, “aquele elemento de submeter o que parece ser um animal com consciência de ordem superior uma vida de cativeiro por um número indefinido de anos“.

A incrível pele dos polvos - Fusne
Foto: (reprodução/ internet)

Claro, já criamos outros animais considerados inteligentes, como porcos. Esse fato pode ser usado para racionalizar a colocação dos polvos na mesma posição.

A questão dos porcos surgiu quando Jacquet conversou com ecologistas interessados ​​em assinar a carta publicada também – algumas pessoas não queriam ser hipócritas por dizer “não” ao polvo cultivado enquanto comiam carne de porco com prazer.

A diferença, Jacquet descobriu, era que a suinocultura está fortemente integrada às dietas, e assim tem sido por décadas. Como a criação de polvos ainda não se materializou, o tratamento antiético dispensado às criaturas pode ser evitado. Em suma, mesmo que você coma carne de porco, “você não está interessado em submeter outra figura consciente ao destino que os porcos sofreram”, diz Jacquet.

Oceanos do Futuro

As questões de bem-estar animal são bastante persuasivas, mas também há pontos ecológicos no argumento da agricultura anti-polvo. Os defensores do empreendimento pensam que criar essas criaturas marinhas à mão poderia tirar a pressão de caça de suas contrapartes selvagens e ajudá-las a prosperar.

Mas alimentar o polvo criado em cativeiro pode prejudicar as populações de outras espécies aquáticas selvagens.

Os polvos são carnívoros e experimentos para projetar as melhores dietas para as criaturas em cativeiro em crescimento testaram alimentos como cavala e caranguejo.

O que quer que seja servido aos futuros polvos em cativeiro provavelmente virá da natureza – da mesma forma que sardinhas selvagens e anchovas alimentam carpas e salmões criados em fazendas, por exemplo.

Mesmo sem o polvo disputando uma parte das capturas selvagens, os pesquisadores já estão argumentando que os níveis de pesca da sardinha precisam diminuir se quisermos colher dessas populações nas próximas décadas.

A possibilidade do polvo adicionar sua própria pressão aos estoques de peixes criados para alimentação ainda pode não se concretizar. Algumas espécies-alvo para operações agrícolas produzem um número incrível de ovos e podem colocar até 5.000 de cada vez.

Depois que os ovos eclodem, os pesquisadores ainda lutam para manter uma porcentagem significativa dos polvos vivos e criados até a maturidade completa.

Se esses obstáculos forem eventualmente superados – e se as fazendas de polvos se tornarem comuns -, pelo menos uma série de biólogos, ecologistas e filósofos argumentaram contra essas práticas, pensa Jacquet. “Isso não ‘tem que acontecer’”, diz ela.

E se isso acontecer, “será porque fizemos uma escolha ativa de ignorar as preocupações éticas“.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Discover

ANÚNCIO