Terra quebra recorde de calor em setembro, pode atingir o ano mais quente

ANÚNCIO

A Terra atingiu um calor recorde em setembro do mês passado, com autoridades climáticas dos EUA dizendo que há quase uma chance de dois para um de que 2020 termine como o ano mais quente já registrado no globo.

Impulsionadas pela mudança climática causada pelo homem, as temperaturas globais foram em média 15,97 Celsius no mês passado, superando 2015 e 2016 para o setembro mais quente em 141 anos de manutenção de registros, disse a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional na quarta-feira. Isso é 0,97 graus Celsius acima da média do século 20.

ANÚNCIO

Este recorde foi impulsionado por altas temperaturas na Europa, norte da Ásia, Rússia e grande parte do hemisfério sul, disse o climatologista da NOAA Ahira Sanchez-Lugo. Califórnia e Oregon tiveram seus setembros mais quentes já registrados.

A Terra teve 44 setembros consecutivos, onde foi mais quente do que a média do século 20 e 429 meses consecutivos sem um mês mais frio do que o normal, de acordo com a NOAA. Os sete setembros mais quentes já registrados foram os últimos sete.

Como isso aconteceu?

Isso significa “que nenhum milenar ou mesmo parte da Gen-X viveu um setembro mais frio do que o normal“, disse a climatologista do estado da Carolina do Norte Kathie Dello, ela própria um milênio.

ANÚNCIO

O que está acontecendo é uma combinação de aquecimento global pela queima de carvão, petróleo e gás natural e variabilidade natural, disse Sanchez-Lugo. Mas o maior fator é o aquecimento causado pelo homem, disseram ela e Dello.

O globo estabeleceu esse recorde apesar de um La Niña, que é um resfriamento de partes do Pacífico central que muda os padrões do clima e geralmente reduz ligeiramente as temperaturas.

La Niña - ELA CHEGOU! - Categoria - Notícias Climatempo
Foto: (reprodução/ internet)

“A La Niña não é páreo para o quanto estamos aquecendo o planeta”, disse Dello.

Os primeiros nove meses de 2020 são os segundos mais quentes já registrados, um pouco atrás de 2016, quando houve um forte aquecimento do El Niño.

Mas Sanchez-Lugo disse que os cálculos de seu escritório mostram que há 64,7% de chance de 2020 passar de 2016 nos últimos três meses e levar o título como o ano mais quente já registrado. E se não funcionar, ela disse que ficará facilmente entre os três primeiros, provavelmente os dois primeiros.

“Estamos recuperando o atraso” para 2016, disse Sanchez-Lugo. “É uma corrida muito acirrada.

Com a tendência climática, os registros de calor que pareciam levar muitos anos para serem quebrados são ultrapassados ​​mais rapidamente, disse o cientista de dados meteorológicos da Universidade do Colorado, Sam Lillo.

Leia também: Estudo: Viagem no tempo sem paradoxos é possível … na teoria

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Snopes

ANÚNCIO