Fungos que tiraram um cochilo de 100 milhões de anos

ANÚNCIO

Você já se sentiu muito, muito velho? Este autor mudou recentemente o primeiro número de sua idade para três, e posso certamente dizer que em algumas manhãs me sinto realmente um velhote.

Claro, a idade é relativa. Por exemplo, a pessoa viva mais velha conhecida – pensava-se na época em que eu escrevia era a japonesa Kane Tanaka, de 117 anos, nada mais é do que um bebê em comparação com algumas outras espécies do planeta.

ANÚNCIO

Mas existem aquelas formas de vida que fazem o passar de décadas, séculos ou mesmo milênios parecer insignificante. Recentemente, os cientistas descobriram micróbios que ainda estavam vivos depois de passar 100 milhões de anos enterrados no fundo do Oceano Pacífico.

Vamos colocar isso em perspectiva, certo? Tyrannosaurus Rex, um dos dinossauros mais famosos, só surgiria por mais 30 milhões de anos, quando esses organismos unicelulares ainda fossem jovens.

Nada sequer parecido com a linhagem mais antiga que eventualmente se tornou humana existia na época. Essa é a idade deles.

ANÚNCIO

E eles realizaram sua façanha de sobrevivência nas profundezas dos sedimentos do oceano, praticamente sem comida ou oxigênio. Soldados durões, eles são.

Em busca de sedimentos

A equipe de pesquisa que encontrou os micróbios vem de uma variedade de universidades e institutos científicos japoneses e americanos. Dez anos atrás, os cientistas coletaram amostras de sedimentos do Giro do Pacífico Sul.

Esta parte do Oceano Pacífico – a uma profundidade de 6.000 metros – é uma das mais difíceis e inóspitas para toda a vida. Existem tão poucos nutrientes disponíveis que praticamente nada vive lá, escreveu LiveScience.

Não apenas isso, a equipe coletou as amostras de 100 metros abaixo do fundo do oceano. O que significa que eles foram perfurados no subsolo.

É seguro dizer que esse não é um lugar onde você esperaria encontrar vida. Os cientistas também não estavam exatamente prendendo a respiração.

Nossa principal questão era se a vida poderia existir em um ambiente tão limitado em nutrientes ou se esta fosse uma zona sem vida“, disse o principal autor do estudo, Yuki Morono, cientista sênior da Agência Japonesa para Ciência e Tecnologia da Terra Marinha (JAMSTEC). Phys.org.

Por mais improvável que seja, a equipe encontrou algum oxigênio no sedimento. Aparentemente, o oxigênio pode ficar preso entre as camadas de sedimentos que lentamente descem da superfície do oceano.

Então, se houver oxigênio, pode haver vida, certo? Bem, os cientistas encontraram um monte de micróbios, mas eles pareciam bastante sem vida para a equipe de pesquisa.

Mesmo assim, eles levaram os micróbios ao laboratório para fazer alguns testes com eles. Parece algo que os cientistas devem fazer.

Leiam também: Fungos criados pelo desastre em Chernobyl podem ajudar astronautas a se protegem da radiação espacial

Micróbios famintos

Uma vez no laboratório, a equipe de pesquisa de Morono fez grandes esforços para garantir que os micróbios antigos não fossem contaminados com os modernos. Eles esterilizaram toda a sala e usaram tubos e equipamentos de alimentação completamente lacrados.

Então, eles examinaram os micróbios mais de perto. As pequenas coisas realmente pareciam ter abandonado o fantasma e não mostravam nenhum sinal de atividade.

Ainda assim, por persistência científica – ou talvez apenas por diversão – a equipe decidiu dar aos micróbios algo que eles gostariam de comer, como carbono e nitrogênio.

Imagine a surpresa deles quando as células engoliram a comida e voltaram à vida.

No início, fiquei cético, mas descobrimos que até 99,1% dos micróbios nos sedimentos depositados 101,5 milhões de anos atrás ainda estavam vivos e prontos para comer”, disse Morono surpreso.

Eles não estavam apenas prontos para comer, eles estavam prontos para procriar – ou, bem, se dividir, já que são apenas micróbios. Em 68 dias, os 6.986 micróbios originais quadruplicaram em número.

Basicamente, eles estavam apenas tirando um cochilo de energia de 100 milhões de anos.

‘Sem limites para a vida’

Embora possa não haver muitas aplicações práticas para células antigas, as implicações científicas do estudo são surpreendentes.

Sabíamos que havia vida em sedimentos profundos perto dos continentes, onde há uma grande quantidade de matéria orgânica enterrada”, disse Steven D’Hondt, professor da Escola de Graduação em Oceanografia da URI e coautor do estudo.

Mas o que descobrimos foi que a vida se estende no fundo do oceano, desde o fundo do mar até o porão rochoso subjacente.”

Morono diz que a vida no fundo do mar é muito mais lenta do que na superfície. Como tal, a velocidade evolutiva dos organismos que ali habitam é mais lenta, o que abre todo um novo ramo de pesquisa.

Queremos entender como ou se esses antigos micróbios evoluíram. Este estudo mostra que o fundo do mar é um excelente local para explorar os limites da vida na Terra ”, disse Morono.

D’Hondt parece ainda mais otimista sobre as possibilidades que a descoberta de Morono abriu. Se esses micróbios conseguiram sobreviver nos sedimentos mais antigos do fundo do mar, quem sabe o que mais está escondido lá embaixo.

O que é mais empolgante sobre este estudo é que ele mostra que não há limites para a vida no antigo sedimento do oceano mundial”, disse ele.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Oddee

ANÚNCIO