Humanos têm cachorros, peixes têm camarão

ANÚNCIO

Pesquisadores descobriram que uma espécie de peixe coral usa camarão para ajudar a fertilizar suas fazendas de algas, o que, eles sugerem, é a primeira evidência de um vertebrado não humano domesticando outra espécie.

A donzela de barbatana longa (Stegastes diencaeus) é conhecida por defender agressivamente as fazendas de que dependem para se alimentar – mas não, ao que parece, contra os camarões misídeos planctônicos (Mysidium integrum).

ANÚNCIO

“Descobrimos que as donzelas mantêm enxames de camarões misteriosos dentro de suas fazendas, proporcionando-lhes um refúgio seguro de longo prazo contra predadores”, disse Rohan Booker da Universidade Deakin da Austrália, principal autor de um artigo na Nature Communications.

Leia Também: Este truque brilhante vai devolver uma garrafa de champanhe à sua glória borbulhante

“Os mysids, em troca, nadam naquela fazenda o dia todo e bombeiam passivamente o lixo. Todo esse lixo extra atua como fertilizante, melhorando as algas cultivadas e, por sua vez, a condição do agricultor, a donzela. ”

Isso é conhecido como “relação domesticador-domesticado”, um arranjo mutuamente benéfico em que uma espécie fornece suporte contínuo a outra em troca de benefícios previsíveis, como peixes limpadores pegando parasitas de outros peixes ou insetos polinizando flores.

ANÚNCIO

Os seres humanos tiveram esse tipo de relacionamento com muitos animais diferentes desde que domesticaram cães, há cerca de 10.000 anos, criando-os seletivamente para certas características atraentes, como a mansidão.

Humanos têm cachorros, peixes têm camarão
Foto: (reprodução/ internet)

Outros exemplos de domesticação não humana são dos insetos que domesticam plantas, como formigas que cultivam de fungos. 

Este estudo mostra que vertebrados não humanos também têm a capacidade de domesticar outros animais, o que sugere que  isso pode ser algo mais comum do que se conhecia até agora, diz Booker.

Na espécie não humana, observa ele, o processo de domesticação provavelmente ocorre sem intenção consciente, mas sim através da coevolução ao longo de milênios. 

Suspeita-se que as relações humanas com outros animais se originaram da mesma maneira.

A domesticação Humana 

Acredita-se que a domesticação humana de lobos cinzentos (Canis lupus), por exemplo, tenha começado quando os lobos foram atraídos para acampamentos humanos; à medida que as duas espécies coexistiram e se acostumaram, os humanos começaram a obter benefícios como uma caça mais bem-sucedida.

Da mesma forma, galinhas e gatos podem ter sido atraídos para acampamentos humanos para se alimentar de restos, que então se desenvolveram em uma relação simbiótica ou mutuamente benéfica, por meio dos benefícios que proporcionavam, como ovos, carne ou roedores de caça.

Humanos têm cachorros, peixes têm camarão
Foto: (reprodução/ internet)

“Acho que a coisa realmente empolgante que fomos capazes de fazer foi usar as relações peixes-mysid para testar experimentalmente a via comensal, que é uma das maneiras pelas quais as relações humanas com animais surgiram pela primeira vez”, diz Brooker.

“O comportamento territorial dos peixes criou um nicho totalmente novo no recife do qual os misídeos poderiam aproveitar oportunisticamente para se abrigar, da mesma forma que galinhas ou gatos podem ter aproveitado assentamentos humanos para se alimentar, levando a uma melhor sobrevivência.”

“Esses animais, por sua vez, proporcionaram um benefício ao criador do nicho e, portanto, o feedback positivo fortaleceu o relacionamento ao longo do tempo.”

A importância dessa relação 

Essas afiliações têm ramificações ecologicamente importantes, dizem os autores, à medida que benefícios mútuos evoluem ao longo das gerações, moldando o comportamento, a adaptação e a sobrevivência, e até mesmo as paisagens e a biodiversidade.

Brooker identificou o fenômeno pela primeira vez com camarões donzela e mysid quando nadava em torno dos recifes de coral de Belize há cinco anos. 

Humanos têm cachorros, peixes têm camarão
Foto: (reprodução/ internet)

Ele e colegas das universidades Deakin e Griffith na Austrália, bem como da França, Estados Unidos e Reino Unido, seguiram com uma série de estudos de campo e experimentos comportamentais.

Ele tem esperança de que pesquisas futuras possam verificar o fenômeno em outros recifes ao redor do mundo, onde camarões mysid habitam o território das donzelas, como a Ilha Lizard na Grande Barreira de Corais da Austrália.

“Nossa capacidade de domesticar outros organismos contribuiu para o sucesso de nossa espécie e transformação dos ecossistemas do mundo”, escreve a equipe. Eles sugerem que novos insights podem ser obtidos explorando mais a fundo como isso aconteceu em outros animais.

Traduzido e editado por equipe: Isto é Interessante 

Fonte: Cosmos Magazine 

ANÚNCIO