Irmã Miriam Michael Stimson virou os primeiros modelos de DNA do avesso

ANÚNCIO

Crianças de apenas sete anos atraem cientistas como predominantemente homens (o jaleco e o cabelo bagunçado são bônus). Enquanto essa tendência está mudando, arrisco um palpite de que nem todo mundo pode pensar em uma freira católica quando pensa em “cientista”.

Para a irmã Miriam Michael Stimson, porém, essas identidades sempre estiveram totalmente entrelaçadas. Ela sempre se interessou por saúde humana e medicina, tendo crescido em torno de doenças: seu irmão mais velho tinha poliomielite, sua irmã tinha um problema cardíaco resultante de uma infecção e sua mãe tinha pressão alta depois que deu à luz gêmeos que ela sofreu da perda de memória.

ANÚNCIO

Stimson estudou química no Siena Heights College, uma pequena escola católica em Michigan, e obteve seu PhD no Institutum Divi Thomae em Cincinatti. Ela voltou a Siena Heights para ensinar e abrir um laboratório de pesquisa, onde estudou o câncer e os tratamentos de cura de feridas (incluindo um que levou à criação da Preparação H).

Seu trabalho mais importante, no entanto, concentrou-se na espectroscopia infravermelha, uma técnica que mapeia a estrutura de uma substância química. Os átomos em uma molécula estão sempre em movimento, com as ligações químicas entre eles se curvando e esticando constantemente.

Essas curvas e extensões são exclusivas dos átomos envolvidos – uma ligação de carbono para oxigênio é diferente de uma ligação de carbono para hidrogênio, e uma grande extensão se comporta de maneira diferente de uma pequena dobra. Essas pequenas diferenças nos permitem mapear a aparência de uma molécula complexa.

ANÚNCIO

Para Stimson, os métodos existentes não funcionavam: muitas vezes havia muita interferência nos espectros resultantes para ver claramente os alongamentos e curvas que ela estava procurando.

Para ver essa “impressão digital” química, no entanto, você precisa saber o que procurar. Para Stimson, os métodos existentes não funcionavam: muitas vezes havia muita interferência nos espectros resultantes para ver claramente os alongamentos e curvas que ela estava procurando.

Stimson resolveu esse problema misturando o produto químico que ela estava estudando com brometo de potássio e pressionando-o em uma pelota quase transparente.

O brometo de potássio, composto de um íon de potássio com carga positiva e um íon de bromo com carga negativa, não tem alongamentos e curvas, portanto, não interfere no espectro.

Sobre seu novo método, ela disse “havia ausência de bandas interferentes, menores perdas por espalhamento, maior resolução dos espectros, melhor controle de concentração e homogeneidade da amostra, facilidade no exame de pequenas amostras e possibilidade de armazenamento de amostras para estudos posteriores. ”

Illustration of Maria Stimson, nun and DNA pioneer.
Foto: (reprodução/ internet)

O uso de brometo de potássio abriu um novo mundo para Stimson e outros químicos para estudar estruturas simples e complexas, e levou Stimson a sua contribuição mais importante: a descoberta da estrutura do DNA.

Armada com sua técnica de brometo de potássio, Stimson foi capaz não apenas de confirmar a estrutura das bases de nucleotídeos do DNA, mas também estudar como elas estavam conectadas na estrutura de dupla hélice do DNA, literalmente virando os modelos defeituosos do avesso.

Desbloquear o DNA foi sem dúvida a questão científica mais crítica da época, hipnotizando as mentes mais famosas da ciência, como James Watson, Francis Crick e Linus Pauling.

Watson, Crick e Pauling, no entanto, todos propuseram modelos com uma falha fundamental: eles estavam de dentro para fora. Eles tinham as bases do lado de fora, não do lado de dentro, onde deveriam.

Armada com sua técnica de brometo de potássio, Stimson foi capaz não apenas de confirmar a estrutura das bases de nucleotídeos do DNA, mas também estudar como elas estavam conectadas na estrutura de dupla hélice do DNA, literalmente virando os modelos defeituosos do avesso.

Stimson não recebeu muito crédito por sua contribuição para o DNA; o Prêmio Nobel pela descoberta de DNA foi para Watson, Crick e Maurice Wilkins (um colega de Rosalind Franklin) em 1962.

Ela foi, no entanto, convidada para dar uma palestra na Sorbonne em Paris, a segunda mulher a seguir Marie Curie, e ela recebeu reconhecimento internacional por seu extenso trabalho em espectroscopia.

Ela também foi capaz de causar um impacto em sua pequena escola doméstica em Michigan, onde era conhecida como M2 (que é M ao quadrado para você). Além de dirigir seu laboratório de química do câncer por mais de 30 anos, ela fundou um programa de aconselhamento sobre vícios e introduziu a pesquisa de graduação na universidade.

Irmã Miriam viu seu trabalho científico como um meio de descobrir a verdade que nos levaria para mais perto de Deus.

Embora a maioria das fontes não descreva como a irmã Miriam Michael Stimson pensava sobre seu trabalho no contexto de sua religião, um artigo a descreve dizendo: “A irmã Miriam via seu trabalho científico como um meio de descobrir a verdade que nos levaria para mais perto de Deus. ”

Sua ex-aluna e colega, a irmã Sharon Weber, disse após a morte de Stimson, “o espírito da busca dominicana pela verdade era um valor muito alto dela, que ao chegar a conhecer a verdade sabemos mais sobre Deus”.

Embora agora os cientistas em geral tendam a ser consideravelmente menos religiosos do que a população em geral (33% contra 83%, respectivamente, de acordo com um estudo da Pew em 2009), historicamente esse não tem sido o caso.

Muitos dos grandes – Galileo, Newton, Descartes, Pascal – eram profundamente religiosos, e muitos vencedores do prêmio Nobel também foram publicamente religiosos, como Dr. Christian Anfinsen (bioquímica do RNA), Dr. Arthur Schawlow (em lasers) e até mesmo o Dr. Arno Penzias da Bell Labs (para a primeira observação da radiação universal de fundo em microondas).

Um estudo recente da Rice University descobriu que 45% dos cientistas no Reino Unido não acreditam em Deus, em comparação com 18% do público. A professora de sociologia e autora principal Elaine Howard Ecklund atribui isso não apenas ao intelectualismo, mas também às forças sociais, dizendo:

Cientistas de elite podem expressar menos religiosidade porque presumem que, como cientistas de elite, eles deveriam ser ou precisam ser menos religiosos para se enquadrar em um ideal profissional. Porque eles já podem estar à margem desse ideal profissional em primeiro lugar, os cientistas que não fazem parte da elite podem sentir menos pressão social e cultural para se conformar ainda mais com ele.

Leia também: Você sabia que existe um grupo independente de defesa de mulheres na Índia?

A irmã Miriam Michael Stimson pode servir de exemplo de alguém que se preocupou profundamente com a humanidade e usou suas habilidades no laboratório para promover o conhecimento para toda a humanidade.

Esta não é a primeira vez que esta conversa surge, nem é a última. Mais recentemente, o presidente Barack Obama nomeou Frances Collins, famosa geneticista e cristã evangélica declarada para ser diretora do National Institutes of Health.

À medida que continuamos a conversa sobre quem pode ser um cientista, como os cientistas devem agir e como as comunidades científicas podem ser mais inclusivas, a irmã Miriam Michael Stimson pode servir como um exemplo de alguém que se preocupou profundamente com a humanidade e usou suas habilidades no laboratório para promover o conhecimento para toda a humanidade.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Massive Science

ANÚNCIO