Mulher colombiana com Covid-19 dá à luz uma criança não infectada

ANÚNCIO

Diana Angola lutava pela própria vida quando deu à luz o filho Jefferson. A mulher de 36 anos entrou em coma depois de contrair o novo coronavírus, que deixou seus pulmões mal capazes de suportar.

Os médicos realizaram uma cesariana devido ao estado de seus pulmões e Jefferson nasceu prematuro de pelo menos 14 semanas.

ANÚNCIO

O caso gerou “muito choque”, disse à AFP Paula Velasquez, médica especializada em medicina interna na clínica Versalles, no sudeste da cidade de Cali.

Sabíamos que havia poucos casos relatados de sobrevivência em um contexto tão grave quanto nosso paciente”, disse Velasquez.

Angola, que também tem uma filha, foi internada no dia 15 de maio com uma febre terrível.

ANÚNCIO

Três dias depois, ela foi colocada em coma induzido e manteve-se assim até a cirurgia.

Por causa de sua gravidez, ela foi mantida sentada em um ângulo de 45 graus, quando aqueles que sofrem de pneumonia normalmente ficam deitados para ajudar na respiração.

Jefferson, embora prematuro, nasceu sem o coronavírus – mas os médicos disseram que ele lutava para respirar e que precisavam reanimá-lo.

Tivemos que passar por todo o procedimento de um paciente crítico”, disse o pediatra Edwin Olivo, que foi um dos especialistas envolvidos no parto.

Mas, ele acrescentou, embora o bebê permaneça em uma incubadora, ele rapidamente começou a ganhar peso e a respirar com mais facilidade.

Um ser humano pode sobreviver 24 semanas com um bom peso, mas com muita tecnologia e um efeito no desenvolvimento neurológico e nos pulmões”, disse Velasquez.

Memórias dolorosas

Agora recuperada do vírus, Angola está desesperada para receber alta com o filho.

É muito emocionante saber que lutamos, que os médicos nos ajudaram a sobreviver”, disse ela, com a voz fraca.

Ela diz que não sabe como contraiu o vírus e sua família insiste que ela cumpriu rigidamente o bloqueio, imposto pela primeira vez em 25 de março, mas que tem diminuído recentemente.

Nos corredores do hospital, sua irmã Angela dá um suspiro de alívio.

Os hospitais trazem lembranças dolorosas: há dois anos, sua mãe e outra irmã morreram na UTI, onde Diana passou várias semanas.

Angela se lembra de sua irmã gritando: “Não deixe que me coloquem em ventilação artificial, tire-me daqui, eu não quero morrer“, depois que os médicos disseram a ela que tratamento estavam propondo.

Com a América Latina agora o epicentro da pandemia do coronavírus, Angela quer que o caso de sua irmã e sobrinho sirva de lição para os outros.

Tem muita gente que anda sem máscara, vai a festas, porque não conhece ninguém (com o vírus), não percebe” como é perigoso.

Com mais de 2.600 mortes e 80.000 casos, a Colômbia é o sexto país mais afetado da América Latina em termos de mortes e o quinto pior em infecções.

No entanto, o vírus está se espalhando rapidamente no país de 50 milhões, com um quarto dessas mortes e casos registrados apenas na semana passada.

Leia também: Cientistas revelam o que pode ser o maior pássaro voador de todos os tempos

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Hindustan Times

ANÚNCIO