Novos achados do asteróide Bennu apoiam a teoria de como a vida pode ter viajado para a Terra

ANÚNCIO

OSIRIS-REx orbita o asteróide Bennu desde dezembro de 2018 e está programado para agarrar uma amostra da rocha voadora ainda este mês antes de devolvê-la à Terra.

E à medida que a espaçonave se prepara para a missão de retorno de amostra, cada sobrevôo próximo do asteróide fornece novas e emocionantes pistas de como o Sistema Solar se formou.

ANÚNCIO

A missão também pode informar nossa própria história de origem. Em uma série de seis artigos publicados na quinta-feira nas revistas Science and Science Advances, os pesquisadores fornecem novos insights sobre Bennu e detalham a descoberta de material orgânico no asteróide.

Acredita-se que os asteróides contenham pistas para alguns dos mistérios cósmicos remanescentes, pois são feitos de material remanescente do nascimento do Sistema Solar.

Amy Simon é uma cientista planetária do Goddard Space Flight Center da NASA e autora principal de um dos estudos recentes sobre Bennu.

ANÚNCIO

“A razão de haver tanto interesse em asteróides é que muitos deles são muito primitivos, desde quando o Sistema Solar se formou, e eles não mudaram com o vento e a água, ou com o clima da Terra“, disse Simon à Inverse. “Eles ainda são mais puros do que qualquer coisa que você possa encontrar no universo.”

Novos achados do asteróide Bennu apoiam a teoria de como a vida pode ter viajado para a Terra
Foto: (reprodução/ internet)

Bennu é classificado como Objeto Próximo à Terra (às vezes chamado de NEO) e orbita ao redor do Sol a cada 436,6 dias. Bennu é um asteróide do tipo B raro.

Os asteróides são divididos em diferentes tipos com base em sua composição química, e o tipo B denota o tipo mais primitivo de asteróide – em outras palavras, Bennu não mudou significativamente desde que se formou há 4 bilhões de anos.

Isso também significa que contém muito material de carbono, moléculas orgânicas e aminoácidos – considerados os blocos de construção da vida.

Simon lembra que, quando o OSIRIS-REx abordou Bennu pela primeira vez, os cientistas rapidamente viram evidências de minerais hidratados incrustados nas rochas do asteróide.

Normalmente ocorrem quando a água é adicionada à estrutura cristalina de um mineral. A equipe de cientistas também encontrou assinaturas de material contendo carbono em toda a superfície de Bennu.

Nesse estudo, Simon e sua equipe usaram um método conhecido como espectroscopia de infravermelho para estudar essas assinaturas, que analisa a interação da luz infravermelha com as moléculas para identificar a composição química de um determinado material.

Eles descobriram que o material contendo carbono, incluindo moléculas orgânicas e minerais de carbonato, estava espalhado pelo asteróide, com veios concentrados de material em algumas das pedras de Bennu.

Quando começamos a mapear, encontramos assinatura de material contendo carbono por toda a superfície”, diz Simon. “Não importa de onde tiramos uma amostra.”

Uma vida bem travada

Alguns cientistas acreditam que a água e outros materiais orgânicos viajaram para a Terra por meio de meteoritos que caíram no planeta bilhões de anos atrás em meio ao caos de um jovem Sistema Solar. Os asteróides fornecem uma janela crucial para o material que existia no início do Sistema Solar – e fornecem pistas sobre como parte dele pode ter chegado à Terra.

A evidência de minerais hidratados em um asteróide seco reúne uma parte da história de como a água pode ter encontrado seu caminho para a Terra, enquanto o material orgânico também visto em Bennu é um bom indicador de que o asteróide abriga os blocos de construção da vida.

Todos os dias temos uma chuva de coisas que não vemos“, diz Simon. “Mas no início do Sistema Solar, teria havido muito mais dessas colisões.”

Simon e sua equipe estão aguardando ansiosamente a missão de devolução da amostra, programada para setembro de 2023. Assim que obtiverem a amostra, os cientistas poderão verificar seus resultados.

O bom desta missão é que temos observações baseadas no solo, observações do espaço e uma amostra”, diz Simon. “Seremos capazes de unir todas essas coisas de uma forma que não conseguimos fazer com outros objetos.”

Leia também: Terra quebra recorde de calor em setembro, pode atingir o ano mais quente

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Inverse

ANÚNCIO