O bebê pode absorver o paladar da mãe através de memórias moldadas ainda no útero

ANÚNCIO

Quer que seu filho ame vegetais? Comece cedo. Muito cedo. A pesquisa mostra que o que uma mulher come durante a gravidez não apenas nutre seu bebê no útero, mas pode moldar as preferências alimentares mais tarde na vida.

Às 21 semanas após a concepção, um bebê em desenvolvimento pesa quase tanto quanto uma lata de Coca-Cola – e ele ou ela também pode sentir o gosto. Ainda no útero, o bebê em crescimento engole vários gramas de líquido amniótico diariamente. O fluido que envolve o bebê é, na verdade, aromatizado pelos alimentos e bebidas que a mãe ingeriu nas últimas horas.

ANÚNCIO

Coisas como baunilha, cenoura, alho, erva-doce, hortelã – esses são alguns dos sabores que foram transmitidos ao líquido amniótico ou ao leite materno“, diz Julie Mennella, que estuda o sabor em bebês no Monell Chemical Senses Center.

Na verdade, Mennella diz que não há um único sabor que eles encontraram que não apareça no útero. Seu trabalho foi publicado na revista Pediatrics.

O cheiro do líquido amniótico

Coronavírus: em meio a medo de contágio e hospitais lotados, grávidas optam  por parto domiciliar - BBC News Brasil
Foto: (reprodução/ internet)

Para determinar se os sabores são passados ​​da mãe para o bebê através do líquido amniótico, os pesquisadores deram às mulheres cápsulas de alho ou de açúcar antes de coletar uma amostra de rotina de seu líquido amniótico – e então pediram a um painel de pessoas para cheirar as amostras.

ANÚNCIO

E foi fácil“, diz Mennella. “Eles podiam escolher as amostras facilmente das mulheres que comiam alho.” O sentido do paladar é, na verdade, 90% do olfato, acrescentou ela, então eles sabiam apenas pelo odor que os bebês podiam sentir o gosto.

Mennella diz que teve a ideia com os produtores de leite, que nas décadas de 1960 e 70 pesquisavam como a dieta da vaca leiteira influenciava o sabor do leite. Ela diz que vacas que pastam alho selvagem e cebola, ou que vivem em celeiros fedorentos, produzem leite com sabores distintos.

Mas Mennella diz que não apenas o líquido amniótico e o leite materno em humanos são aromatizados pelos alimentos, como as vacas, mas as memórias desses sabores são formadas antes mesmo do nascimento.

Isso pode resultar em preferências por esses alimentos ou odores para o resto da vida. Em outras palavras, se você comer brócolis durante a gravidez, há uma chance muito maior de seu bebê gostar de brócolis.

Mennella diz que isso já havia sido observado em coelhos, então ela decidiu testá-lo em bebês humanos – com cenouras. As gestantes foram divididas em três grupos.

Um grupo foi solicitado a beber suco de cenoura todos os dias durante a gravidez, outro durante a amamentação e um terceiro para evitar cenouras completamente. Então, quando as crianças começaram a comer alimentos sólidos, os pesquisadores as alimentaram com cereais feitos com água ou suco de cenoura e filmaram suas respostas.

Apresentando Bebês à Cultura Alimentar

Os hábitos alimentares que toda grávida deveria adotar e evitar | BOA FORMA
Foto: (reprodução/ internet)

E, assim como o coelho europeu, os bebês que experimentaram cenoura no líquido amniótico ou no leite materno comeram mais cereais com sabor de cenoura”, diz Mennella. “E quando analisamos as fitas de vídeo, eles fizeram caras menos negativas enquanto comiam.”

Isso faz muito sentido evolucionário, diz Mennella. Como as mães tendem a alimentar seus filhos com o que comem, é a maneira natural de apresentar aos bebês os alimentos e sabores que eles provavelmente encontrarão em sua família e cultura.

“Cada bebê está tendo sua própria experiência única, que muda de hora em hora, de dia para dia, de mês para mês”, diz Mennella. “Como um estímulo, é fornecer muitas informações ao bebê sobre quem ele é como uma família e quais são os alimentos que sua família aprecia e aprecia.

Essa mesma ideia fez Matty Lau pensar ‘como é que crianças de outras culturas comem alimentos picantes, amargos ou com sabores picantes?’ Ela é uma sino-americana que teve um bebê no final de julho e se lembra de ter crescido comendo alimentos que a maioria das crianças americanas que ela conhece nunca tocaria.

“Meus pais são ótimos cozinheiros – então eles cozinham coisas como ostras em conserva. Eu sempre me perguntei como foi que fui capaz de crescer comendo vegetais amargos como couve e mostarda e coisas como gengibre”, disse Lau.

Incutir amor pelos sabores chineses antes do nascimento

Enquanto estava grávida, ela tentou conscientemente fornecer ao bebê os sabores que ela ama de sua culinária chinesa nativa. Ela espera que, quando seu bebê for mais velho, ele compartilhe seu amor por alimentos saborosos.

“Eu estava muito preocupada que meu filho gostasse da comida tanto quanto o resto da minha família”, disse Lau.

A pesquisadora de sabor da Universidade da Flórida, Linda Bartoshuk, diz que os bebês nascem com muito poucas preferências de sabor forte e rápido. Ela diz que o trabalho de Mennella mostra que exposições muito precoces a sabores – antes e depois do nascimento – tornam mais provável que as crianças aceitem uma grande variedade de sabores.

E quando essas primeiras exposições são reforçadas ao longo da vida, Bartoshuk pensa que podem ter implicações de longo alcance, até mesmo promovendo uma boa alimentação.

“sAté que ponto podemos fazer um bebê ter uma dieta mais saudável, expondo-o a todos os sabores certos – brócolis, cenoura, feijão-de-lima, etc.? Podemos fazer isso ou não? Acho que podemo“, diz Bartoshuk.

Menella reconhece que muitas crianças ainda fazem cara de mau humor quando recebem brócolis, não importa o quanto a mãe tenha comido durante a gravidez. E talvez eles nunca gostem. Mas ela diz que os pais devem continuar expondo seus filhos a esses sabores, porque eles podem aprender a gostar deles.

Leia também: Cientistas revelam o que pode ser o maior pássaro voador de todos os tempos

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: NPR

ANÚNCIO