O significado escondido de uma experiência na Guerra Fria

ANÚNCIO

Nos estudos de Stanley Milgram sobre obediência, as pessoas acreditavam que estavam dando choques aos outros. Mas será que a obediência deles dizia muito sobre os nazistas?

O significado escondido de uma experiência na Guerra Fria
Foto: (reprodução/internet)

Adolf Eichmann foi tanto um “anjo da morte” quanto um enigma, um arquiteto no topo do Holocausto e um homem de aparência comum que, em seu julgamento em 1961, se defendeu dizendo que estava apenas seguindo as ordens de Hitler ao organizar a ‘Solução Final’. 

ANÚNCIO

Nesse mesmo ano, o psicólogo Stanley Milgram iniciou uma série de experimentos para ver até onde as pessoas iriam ao infligir dor e sofrimento a seus semelhantes se recebessem ordens para fazê-lo.

Os sujeitos receberam uma série de palavras para “ensinar” uma pessoa que se sentava atrás de uma tela. Se essa pessoa dissesse as palavras na ordem errada, os sujeitos administravam o que achavam ser choques cada vez mais dolorosos ao acionar um interruptor de uma caixa. 

A experiência de Milgram

Era um esquema, e nenhum choque era realmente dado, mas a pessoa atrás da tela protestaria, eventualmente ao ponto de gritar para fora. Se o sujeito não quisesse continuar, simplesmente lhes era dito: “Por favor, continuem”.

ANÚNCIO

Em um artigo publicado em 1963, Milgram mostrou que a maioria das pessoas continuaria no experimento em grande parte, desde que a autoridade na sala os instruíssem a continuar. Ele enquadrou essa publicação como revelando verdades sobre os campos nazistas, o que causou uma sensação cultural.

O significado escondido de uma experiência na Guerra Fria
Foto: (reprodução/internet)

Mas a razão deste pouco de “teatro” era tão poderosa, escreve o historiador da psicologia Ian Nicholson, que também é professor da St. Thomas University, nos Estados Unidos, não era necessariamente sua “lição” sobre autoritarismo. Por baixo de tudo isso estava uma mensagem sobre gênero durante a Guerra Fria. 

Leia mais: Explorador encontra avião espião da CIA fora da Área 51 que caiu em 1967

Especificamente, “parte do poder dos experimentos para cativar [a sociedade] estava em sua capacidade não apenas de mostrar a fraqueza masculina já existente, mas de demonstrar ‘cientificamente’ que um novo e totalmente mais bárbaro nível de enfraquecimento masculino havia se enraizado na psique masculina americana”.

Esse “enfraquecimento” consistia na seiva da força de vontade e da auto-direção que era necessária para ser um cidadão democrático – e para ser um homem. Na linguagem politizada da Guerra Fria, explica Nicholson, os homens eram ou “fracos” ou “fortes”. 

Por trás dos estudos durante a Guerra Fria

Das 1.000 pessoas que Milgram recrutou para suas experiências, 960 eram homens. O “experimentador”, que ordenou aos “sujeitos” que continuassem subindo a voltagem, foi recrutado para o papel por causa de sua impassividade intimidadora. E o “aprendiz”, que se sentou atrás da tela e gritou com os choques falsos, foi selecionado porque podia soar “fraco”.

O significado escondido de uma experiência na Guerra Fria
Foto: (reprodução/internet)

Na verdade, Nicholson encontrou provas de arquivo de que a concepção inicial de Milgram do experimento não era realmente sobre os nazistas. 

Em um pedido de subsídio de 1961, apresentado antes do julgamento de Eichmann estar em pleno andamento, Milgram “propôs estudar as condições sob as quais o cumprimento da autoridade poderia ser aumentado ou diminuído – conhecimento que tinha aplicações militares e políticas óbvias”. 

Os argumentos de Milgram

Ele argumentou, por exemplo, que o experimento daria uma maior compreensão das técnicas de controle da mente sobre os prisioneiros de guerra (masculinos) dos EUA na Guerra da Coréia. Ele ajudaria a evitar que a mentalidade do comunismo se espalhasse.

Nicholson argumenta que a mídia popular ampliou a relevância dos experimentos de Milgram para a compreensão dos nazistas, sobre os quais o próprio Milgram permaneceu ambivalente. 

Leia mais: O caos do Grande Desafio de Darpa de 2004

Mas logo, nas mãos de uma profissão de psicologia dominada por homens, a série de estudos (publicados como Obediência à Autoridade nos anos 70) tornou-se canônica, usada para explicar todo tipo de atrocidades e fraquezas de “caráter” infligidas pelo homem.

Milgram não se propôs diretamente a explorar o Holocausto, Nicholson descobre. Mas dado o que ele chama de “flamboyant” de Milgram na referência inicial aos nazistas em seu primeiro trabalho, bem como o contexto da Guerra Fria da masculinidade em crise, talvez fosse inevitável que fosse interpretado dessa forma.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: JSTOR Daily, Psycnet

 

ANÚNCIO