Os cristais podem curar você?

ANÚNCIO

Seja afundado em garrafas de água, amarrado em correntes ou exposto em mesas – o interesse por cristais e seu potencial de cura está crescendo no mundo da medicina alternativa.

Dependendo de como você os usa, os crentes dizem que os fragmentos coloridos de depósitos minerais podem mudar drasticamente sua vida. Acredita-se que a ametista, por exemplo, elimina o vício e melhora a intuição. Por outro lado, acredita-se que o quartzo transparente aumenta o amor-próprio e aumenta a imunidade.

ANÚNCIO

Mas esses são grandes poderes atribuídos às rochas. Se isso não for um sinal de alerta suficiente, também há uma curiosa falta de efeitos colaterais negativos sempre que os apoiadores discutem o uso de cristais, diz Christopher French, psicólogo da Goldsmiths, Universidade de Londres.

Essas são bandeiras vermelhas que indicam o que muitas pessoas já devem saber: não há evidências científicas de que os cristais possam cumprir qualquer uma dessas afirmações. Mas, como as vendas de quartzo estão crescendo com a pandemia, pode valer a pena desfazer seu apelo curativo.

De volta à ‘Idade da Pedra’

Os cristais podem curar você?
Foto: (reprodução/ internet)

Mesmo nos períodos antigo e medieval, as pessoas atribuíam poderes particulares a alguns cristais. Alguns podem proteger as pessoas de tempestades ou afastar o mau-olhado, de acordo com textos de arquivo que Marisa Galvez, uma medievalista da Universidade de Stanford, vasculhou.

ANÚNCIO

Como alguém que tentou desvendar os vários significados de civilizações mais antigas colocadas nos cristais, Galvez recebe muitos telefonemas de pessoas que estão interessadas nos poderes de cura dos cristais hoje.

Muitas vezes, eles se surpreendem com a existência de conjuntos de conhecimentos e estudos que remontam aos tempos antigos”, diz ela.

Da maneira como os autores antigos descrevem os cristais, fica claro que muito do que as pessoas pensavam que o material poderia realizar baseava-se na aparência das pedras. As superfícies reflexivas brilham como água, e a ambigüidade visual – é líquida ou sólida? – parecia transformador, diz Galvez.

Os textos podem até descrever cristais agrupados em torno de uma relíquia religiosa, que pareceria brilhar em uma névoa de reflexos de luz e assumir um halo adequado ao valor espiritual do objeto.

Hoje, os aficionados por cristais tendem a colocar mais autoridade nos aspectos físicos das pedras, como a diferença de temperatura que alguém pode detectar enquanto segura uma, ou as “vibrações” emitidas pelos cristais. Mas a atração que as pessoas têm pelos cristais tende a transcender os períodos de tempo, diz Galvez.

As versões que as pessoas procuram para propósitos de cura ou espirituais são geralmente mais ásperas nas bordas – nada como um diamante lapidado ou as partículas em telas de computador, ambos os quais também são tipos de “cristais” no sentido científico da palavra, Galvez aponta .

Algo que é cru e não polido enfatiza sua origem sob nossos pés e carrega uma beleza sobrenatural. Se uma pessoa medieval estava procurando uma conexão mais próxima com Deus ou alguém hoje está procurando por outra presença espiritual, os cristais prendem as pessoas a outro reino. “Essa ideia de que é algo da terra, mas também é algo espiritual dos céus – algo invisível, algo divino”, diz Galvez, “Eu vejo isso em todas as culturas e em muitos períodos diferentes”.

Por que as pessoas acreditam em cristais

Crystals in water healing stones - Shutterstock
Foto: (reprodução/ internet)

Hoje, aqueles que podem estar mais inclinados a acreditar no poder de cura dos cristais também podem estar mais propensos a se inscrever em outras terapias alternativas.

Em algumas de suas próprias pesquisas, apresentadas no Congresso Europeu de Psicologia, French e seus colegas entregaram “cristais” – alguns dos quais foram coletados da terra e alguns eram falsos – para os participantes do estudo ver quem sentia formigamento, melhora do humor ou outras mudanças que as pedras deveriam transmitir.

Os que seguravam cristais artificiais eram tão propensos a relatar novas sensações quanto os reais, e aqueles que sentiam essas mudanças também eram mais propensos a acreditar em outras teorias sobrenaturais, descobriram French e sua equipe.

Para alguém ter uma experiência única com cristais e transformá-la em sua forma preferida de terapia, algumas coisas precisam acontecer primeiro. É possível que alguém comece a acreditar no poder dessas pedras por causa de uma falsa correlação. Em outras palavras, como eles estavam com o cristal enquanto algo positivo acontecia, alguém poderia começar a pensar que a gema criou essas circunstâncias.

Este único evento pode iniciar um efeito placebo. Se uma pessoa acredita que está recebendo uma terapia eficaz – como alguém que pensa que está tomando medicamentos, mas na verdade é uma pílula de açúcar – os sintomas podem melhorar.

Esse fenômeno se manifesta na pesquisa de controle da dor, e é possível que o poder da crença também seja transferido para a cura pelo cristal para algumas pessoas, diz French.

Em última análise, é improvável que uma crença profunda nos poderes transformadores dos cristais cause muitos danos – desde que as pessoas não neguem outras intervenções médicas comprovadas em favor das pedras, diz French.

E é melhor evitar técnicas como triturar as pedras e misturá-las em bebidas para aumentar a lactação – um dos tratamentos medievais que Galvez encontrou.

No final, French diz que os cientistas muitas vezes descartam as relações que as pessoas têm com os cristais como uma devoção que não vale a pena examinar. “Acho que é um erro”, diz French.

Do ponto de vista de um psicólogo, se eles não funcionam, por que as pessoas pensam que funcionam?” Uma melhor compreensão de por que as pessoas buscam o aperfeiçoamento pessoal por meio de uma pedra pode revelar mais sobre as circunstâncias sociais que levaram a essa escolha do que sobre a própria crença.

Leia também: Cientistas revelam o que pode ser o maior pássaro voador de todos os tempos

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Discovery

ANÚNCIO