Os genes do gato podem explicar suas nove vidas?

ANÚNCIO

Mude a medicina genômica humana – os cientistas estão agora se aproximando da terapia genética para felinos, graças a um gato abissínio chamado Canela.

Sua sequência de DNA foi usada para a primeira versão de alta qualidade do genoma do gato, descrita na revista PLOS Genetics.

ANÚNCIO

Usando-o como referência, os pesquisadores compararam-no a um banco de dados de genes publicados de 54 gatos reunidos pelo 99 Lives Cat Genome Project para encontrar mutações que poderiam ajudar a resolver o mistério das doenças hereditárias em felinos.

Uma descoberta importante foi uma nova mutação provavelmente responsável pelo nanismo felino, de acordo com o autor principal Reuben Buckley, que fez o trabalho na Universidade de Missouri, EUA. A mutação, uma “variante estrutural”, foi encontrada no gene UGDH que não havia sido previamente associado ao nanismo em nenhuma espécie.

Isso pode lançar luz sobre o nanismo humano, diz Buckley. “Em última análise, este resultado indica como a genômica em animais não humanos pode ajudar a aprofundar nossa compreensão das funções dos genes em humanos.”

ANÚNCIO

O gato doméstico (Felis catus) está sujeito a muitas das mesmas doenças que seus companheiros humanos. Os amantes de gatos podem ficar felizes em saber que a genômica pode ajudar os veterinários a detectar e tratar doenças.

Os genes do gato podem explicar suas nove vidas?
Foto: (reprodução/ internet)

Até agora, os pesquisadores descobriram mutações que podem ser responsáveis ​​por caudas curtas, curvatura das orelhas e cegueira hereditária em gatos de Bengala e persas. Os genomas de gatos com doenças oculares forneceram informações sobre a causa e possíveis tratamentos para condições semelhantes em humanos.

Outras doenças que os pesquisadores estão estudando com uma possível ligação genética incluem diabetes, câncer e doenças cardíacas.

Avanços recentes no sequenciamento de DNA tornaram mais acessível para os cientistas que trabalham com espécies diferentes de humanos e camundongos desenvolver genomas de referência de alta qualidade usando uma tecnologia chamada sequenciamento longo.

Isso é importante, diz Buckley, porque pode ajudar os cientistas a separar as mutações benignas das patogênicas.

Coletando DNA de seu voluntário peludo Cinnamon, sua equipe usou tecnologias de longa leitura para reunir o genoma dela. Eles produziram 10 vezes mais fragmentos do que as tecnologias anteriores, melhorando a precisão da sequência.

“Por exemplo, imagine resolver um quebra-cabeça de 100 peças grandes e um quebra-cabeça de 1000 peças pequenas”, explica Buckley. “O quebra-cabeça montado feito de 100 peças tem muito menos probabilidade de conter erros de montagem do que o quebra-cabeça feito de 1000 peças muito pequenas.”

Os genes do gato podem explicar suas nove vidas?
Foto: (reprodução/ internet)

O estudo revelou que as mutações no gene do gato se acumulam de maneira semelhante às variantes dos genes humanos, sugerindo que a informação genética pode ajudar a informar os impactos das mutações entre as espécies.

Eles também descobriram que o genoma de um gato individual carrega milhões de variantes a mais do que o genoma humano e também era marcadamente maior do que aqueles encontrados em estudos de outros mamíferos, incluindo cães, ratos, cavalos e macacos rhesus.

Isso poderia ajudar a explicar por que os gatos parecem ter nove vidas? Isso pode ajudá-los a tolerar esse aumento da carga de mutação, diz Buckley, embora seja duvidoso porque a maioria delas ocorre fora das regiões genéticas e são benignas.

Os genes do gato podem explicar suas nove vidas?
Foto: (reprodução/ internet)

Pode ter algo a ver com o fato de que os gatos foram originalmente “auto” domesticados, sugerem os autores, continuando alguns dos comportamentos de seus ancestrais, como a caça.

Essa independência característica não impede que as pessoas os amem; de acordo com o mentor de Buckley e coautor Leslie Lyons, “Gatos regra, cachorros babam!”. Não ele, porém, diz ele. “Eu prefiro genomas.”

Leia Também:Injeções de proteínas nos testículos podem tratar a infertilidade masculina

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte:Cosmos

ANÚNCIO