Os predadores de Madagascar são provavelmente vulneráveis a sapos tóxicos

ANÚNCIO

Em algum momento, de oito a dez anos atrás, alguns sapos foram arrumados em um navio na Ásia, possivelmente na cidade de Ho Chi Minh, e pegaram uma carona para Madagascar. Esses invasores, sapos-comuns asiáticos, têm se espalhado lentamente pela grande ilha desde então.

A pele do sapo contém uma toxina que mata quase tudo que tenta comer o anfíbio. Os cientistas têm alertado sobre o perigo do sapo para os ecossistemas há anos, mas eles não têm evidências de quão perigosos os sapos podem ser. Agora, um estudo genético confirma que quase todos os predadores de Madagascar seriam vulneráveis ​​à toxina do sapo.

ANÚNCIO

Duttaphrynus melanostictus é uma das muitas espécies de sapos que secretam toxinas potentes chamadas bufadienolidos. Esses produtos químicos interrompem o fluxo de sódio e potássio nas paredes celulares, algo que é particularmente importante para o funcionamento dos músculos e, especialmente, do coração.

Os predadores de Madagascar são provavelmente vulneráveis a sapos tóxicos
Foto: (reprodução/ internet)

Animais que não são resistentes aos sapos que engolem um sapo podem morrer extremamente rapidamente de insuficiência cardíaca”, diz Wolfgang Wüster, herpetologista da Universidade de Bangor, no País de Gales.

Existem espécies, incluindo répteis e mamíferos, que desenvolveram resistência à toxina. E em 2015, Wüster e outros cientistas relataram que esses exemplos de resistência compartilhavam uma semelhança: todos eles tinham mutações específicas no gene da bomba de sódio-potássio. 

ANÚNCIO

“Esse é um mecanismo universal para poder consumir sapos – e particularmente para lidar com as toxinas bufo”, diz Wüster.

Sapos tóxicos são uma espécie invasora em vários lugares do mundo. Sapos-cururus, por exemplo, têm se espalhado pelo norte da Austrália há décadas, levando ao declínio de espécies como quolls e cobras. 

Essa invasão é bem estudada e, portanto, os cientistas sabem muito sobre as espécies afetadas por ela. Há pouca necessidade de começar a procurar espécies imunes à toxina. Mas em áreas de invasões mais recentes, como Indonésia e Madagascar, esses dados podem ser úteis.

Os predadores de Madagascar são provavelmente vulneráveis a sapos tóxicos
Foto: (reprodução/ internet)

Então, Wüster e seus colegas analisaram o gene para a bomba de sódio-potássio em 77 espécies malgaxes, incluindo 28 pássaros, oito mamíferos e 27 cobras. Apenas uma espécie, o antsangy de cauda branca, um tipo de roedor, tinha as mutações que o tornariam imune à toxina do sapo. 

As mutações foram as mesmas encontradas no rato marrom, o que sugere que podem ser uma característica comum entre roedores. As 76 outras espécies estudadas são provavelmente vulneráveis ​​à toxina do sapo, concluíram os pesquisadores em 4 de junho na Current Biology.

Isso não significa, no entanto, que a vida selvagem de Madagascar esteja totalmente condenada. Na Austrália, os cientistas documentaram mudanças comportamentais em algumas espécies de predadores que lhes permitiram comer sapos com segurança. 

Alguns pássaros, por exemplo, aprenderam que línguas de sapo são seguras para comer. Algumas espécies malgaxes poderiam da mesma forma descobrir como fazer uma refeição segura com os sapos – ou aprender a não comê-los.

As pessoas também podem ajudar. Provavelmente é tarde demais para erradicar os sapos de Madagascar. São muitos, e não há uma boa maneira de encontrá-los e matá-los facilmente. Mas esta pesquisa pode ajudar os cientistas em Madagascar a tomar medidas para proteger certas espécies ou locais das espécies invasoras, diz Wüster.

Madagascar está isolada há dezenas de milhões de anos”, observa Wüster. “Nunca teve sapos. Por que os animais locais seriam resistentes aos sapos? Sempre esperamos que fossem sensíveis. Mas agora temos evidências muito melhores de que esse é realmente o caso.

Leia Também:Injeções de proteínas nos testículos podem tratar a infertilidade masculina

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Science News

ANÚNCIO