Por que os consumidores acham que a comida bonita é mais saudável

ANÚNCIO

Um pesquisador da University of Southern California publicou um novo artigo no Journal of Marketing que explora se alimentos atraentes podem parecer mais saudáveis ​​para os consumidores. O estudo publicado no Journal of Marketing é intitulado “Pretty Healthy Food: How and When Aesthetics Enhance Perceived Healthiness” e é da autoria de Linda Hagen.

 

ANÚNCIO

Os consumidores veem quase 7.000 anúncios de alimentos e restaurantes por ano, com a grande maioria promovendo fast food. Em materiais de marketing, os alimentos são amplamente estilizados para parecerem especialmente bonitos. 

Imagine a linda pizza que você pode ver em um outdoor – um círculo perfeito de crosta com pepperoni e queijo derretido perfeitamente alocados. Os anunciantes visam claramente tornar a comida mais apetitosa. Mas a estética bonita tem outros efeitos potencialmente problemáticos em suas impressões sobre a comida?

Por um lado, a bela estética está intimamente associada ao prazer e à indulgência. Olhar para a bela arte e para as pessoas ativa o centro de recompensa do cérebro e observar a beleza é inerentemente gratificante.

ANÚNCIO

 Esse vínculo com o prazer pode fazer com que uma comida bonita pareça pouco saudável, porque as pessoas tendem a ver o prazer e a utilidade como mutuamente exclusivos. Por exemplo, muitas pessoas têm a intuição geral de que a comida é saborosa ou saudável, mas não as duas coisas.

Por que os consumidores acham que a comida bonita é mais saudável
Foto: (reprodução/ internet)
 

Por outro lado, um tipo específico de estética denominada estética “clássica” é caracterizada pelos padrões ideais encontrados na natureza. Por exemplo, uma característica estética clássica chave é a simetria, que também é extremamente comum na natureza. 

Outra característica estética clássica proeminente envolve a ordem e os padrões sistemáticos, os quais, novamente, são onipresentes na natureza. Parece possível que ostentar mais dessas características visuais naturais pode fazer com que as representações dos alimentos pareçam mais naturais.

 Parecer mais natural, por sua vez, pode fazer a comida parecer mais saudável porque as pessoas tendem a considerar coisas naturais (por exemplo, alimentos orgânicos ou remédios naturais) mais saudáveis ​​do que coisas não naturais (por exemplo, alimentos altamente processados ​​ou produtos químicos sintéticos). 

Portanto, em virtude de refletir a natureza, o mesmo alimento pode parecer mais saudável quando é bonito (em comparação com quando é feio).

Em uma série de experimentos, o pesquisador testou se o mesmo alimento é percebido como mais saudável quando parece bonito, seguindo os princípios estéticos clássicos (ou seja, simetria, ordem e padrões sistemáticos) em comparação com quando não é. 

Por exemplo, em um experimento, os participantes avaliaram torradas de abacate. Todo mundo leu informações idênticas sobre ingredientes e preços, mas as pessoas foram aleatoriamente designadas para ver uma torrada com abacate bonita ou uma torrada com abacate feia (as fotos tinham sido anteriormente, em média, classificadas como diferencialmente bonitas).

 Apesar de informações idênticas sobre a comida, os entrevistados avaliaram a torrada de abacate como mais saudável (por exemplo, mais saudável, mais nutritiva, menos calorias) e mais natural (por exemplo, mais pura, menos processada) se viram a versão bonita em comparação com a versão feia.

Resultados

 Como se suspeitava, a diferença nos julgamentos de naturalidade impulsionou a diferença nos julgamentos de salubridade. Os julgamentos de outros aspectos, como frescor ou tamanho, não foram afetados. 

Experimentos com alimentos diferentes e manipulações de beleza retornaram o mesmo padrão de resultados, sugerindo que o efeito é improvável de idiossincrático para certas imagens.

É importante ressaltar que esses julgamentos de salubridade afetam o comportamento do consumidor. Em um experimento de campo, as pessoas estavam dispostas a pagar significativamente mais dinheiro por um pimentão bonito do que por um feio, e uma parte substancial desse aumento nos preços de reserva foi atribuída a um aumento análogo nos julgamentos de salubridade.

Em outro estudo, mesmo quando as pessoas tinham incentivos financeiros para identificar corretamente quais dos dois alimentos continham menos calorias, elas eram mais propensas a declarar um alimento-alvo como a opção de menos calorias quando era bonito do que quando era feio – mesmo que essa escolha eles perderam dinheiro.

 Existem algumas qualificações importantes. Primeiro, o efeito pretty = healthy é limitado à estética clássica. A estética “expressiva” não envolve padrões semelhantes à natureza, mas agrada por meio da execução imaginativa de ideias criativas, como comida cortada em formas divertidas ou arranjada para representar uma cena. 

Por que os consumidores acham que a comida bonita é mais saudável
Foto: (reprodução/ internet)
 

Em segundo lugar, o viés bonito = saudável pode ser silenciado exibindo um aviso ao lado do alimento, lembrando as pessoas de que o alimento foi modificado artificialmente.

 Esse efeito dos princípios estéticos clássicos tem implicações para os profissionais de marketing e defensores da saúde pública, embora sejam diferentes. Hagen explica que “a estética clássica pode ser uma nova forma sutil e sem custos de transmitir naturalidade e salubridade – atributos que os consumidores exigem cada vez mais em produtos alimentícios.

 Ao mesmo tempo, uma apresentação bonita dos alimentos pode distorcer as estimativas nutricionais de maneira otimista e impactar negativamente as decisões dietéticas.

 Dadas essas descobertas, os formuladores de políticas podem considerar as isenções de responsabilidade de modificação como uma intervenção ou fortalecer os regulamentos em torno do fornecimento de informações nutricionais objetivas com imagens de alimentos.

Leia Também:Desvendando segredos universais

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: AMA

ANÚNCIO