Répteis em vias de extinção

ANÚNCIO

Os cientistas identificaram 20 espécies de cobras e lagartos australianos que eles preveem estar em maior risco de extinção; 11, dizem eles, provavelmente desaparecerão nas próximas duas décadas, a menos que sejam tomadas medidas para protegê-los.

Os répteis estão declinando a taxas alarmantes em todo o mundo, diz Hayley Geyle, da Charles Darwin University, principal autora de um artigo envolvendo uma grande equipe de especialistas em répteis publicado na revista Pacific Conservation Biology.

ANÚNCIO

Isso é particularmente preocupante para a Austrália, que abriga 10% das espécies do mundo – mais do que qualquer outro país. É um “hotspot para a diversidade de répteis”,escrevem Geyle e colegas, e mais de 90% não são encontrados em nenhum outro lugar.

O governo australiano se comprometeu a evitar mais extinções, dizem eles, mas é impossível proteger espécies que não são monitoradas. Menos da metade foi avaliada pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), e muitas avaliações estão desatualizadas.

A IUCN pode até ser uma forma insensível de identificar espécies de maior risco, observam os autores, já que as categorias não distinguem entre populações em declínio e pequenas.

ANÚNCIO

“Embora a Lista Vermelha da IUCN tenha sido instrumental para estabelecer prioridades globais de conservação, ela não foi projetada para distinguir espécies em uma trajetória rápida para a extinção daquelas com populações muito pequenas que podem persistir por longos períodos”, escreveram eles.

Entendendo melhor 

Para preencher algumas lacunas, a equipe identificou 60 squamates terrestres australianos (cobras e lagartos) listados como sendo de grande preocupação na IUCN e usou especialistas para estimar seu nível de ameaça.

Reunindo todas as informações disponíveis sobre a ecologia, ameaças e tendências populacionais de cada espécie, eles as enviaram a 26 especialistas em répteis em todo o país e pediram que estimassem a probabilidade de extinção de cada espécie até 2040, usando as informações como um guia e assumindo a continuação de práticas de gestão atuais.

Eles descobriram que cinco das nove espécies que adicionaram às da lista de ameaças da IUCN estavam entre as dez primeiras consideradas mais ameaçadas. Assim, muitas das espécies em risco detectadas não estão protegidas atualmente.

Répteis em vias de extinção
Foto: (reprodução/ internet)

No topo da lista, com 93% de probabilidade de extinção, está o dragão sem orelhas das pastagens de Victoria (Tympanocryptis pinguicolla). A cobra cega Fassifern (Anilios insperatus) e três espécies de skink em Queensland também correm mais de 50% de risco, junto com o dragão sem orelhas da pastagem de Bathurst (Tympanocryptis mccartneyi) em NSW.

Queensland é o lar de mais da metade das espécies ameaçadas, incluindo lagartixas, sliders e dragões, todos com pequenas distribuições em menos de 20 quilômetros quadrados – o que é preocupante, diz Geyle. “Isso significa que cada espécie pode ser perdida em um único evento catastrófico, como um grande incêndio florestal.”

Na verdade, os autores observam que sua avaliação foi concluída antes dos incêndios florestais mais recentes da Austrália, que poderiam ter causado impactos severos sobre as espécies vulneráveis.

Outros pontos 

Além disso, as principais ameaças incluem espécies introduzidas, como ervas daninhas e gatos, doenças, mudanças climáticas e perda ou interferência de habitat por meio da agricultura, urbanização, regimes alterados de fogo e mineração.

Os répteis têm papéis vitais nos ecossistemas como predadores, presas, dispersores de sementes, polinizadores, modificação do habitat e controle de pragas. Mas, ao contrário dos mamíferos e pássaros, relativamente pouca atenção tem sido dada à sua conservação, em parte porque são pouco conhecidos e difíceis de pesquisar.

O lagarto da floresta da Ilha Christmas (Emoia nativitatis), por exemplo, desapareceu na natureza antes de receber o status de conservação, e os poucos que estavam em cativeiro morreram pouco depois de serem listados como criticamente ameaçados.

Há esperança, no entanto, diz Geyle. “A maioria das ameaças pode ser atenuada, e as distribuições muito restritas da maioria das espécies significa que devemos ser capazes de implementar esforços de recuperação direcionados e eficazes.”

Leia Também:Injeções de proteínas nos testículos podem tratar a infertilidade masculina

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Cosmos

ANÚNCIO