Sapo que muda de forma pode mudar a textura da pele

ANÚNCIO

Um sapo do tamanho de uma unha que pode transformar a textura de sua pele de espinhosa para lisa em apenas alguns minutos é o primeiro anfíbio que muda de forma já encontrado, de acordo com um novo relatório.

O minúsculo “sapo da chuva mutável” (Pristimantis mutabilis) foi descoberto nas encostas ocidentais da Cordilheira dos Andes no Equador, em uma reserva de floresta nublada protegida.

ANÚNCIO

A nebulosa floresta nublada de Chocó é um hotspot de biodiversidade, e a área protegida, chamada Reserva Las Gralarias, também é o lar de várias aves e borboletas raras. Uma nova espécie de rã de vidro, a rã de vidro Las Gralarias, foi relatada lá em 2012.

Cientistas da Case Western Reserve University de Cleveland e do Cleveland Metroparks encontraram o metamorfo durante a pesquisa anual da população de anfíbios da reserva.

Nos últimos 10 anos, Katherine Krynak, bióloga e estudante de pós-graduação da Case Western, e Tim Krynak, naturalista e gerente do projeto Metroparks, caminharam juntos pelas trilhas da reserva à noite, ouvindo o canto dos sapos e procurando por espécies raras.

ANÚNCIO

A dupla avistou o sapo pela primeira vez em 2006 e só tirou uma foto, mas depois percebeu que poderia ser uma espécie recém-descoberta quando eles ampliaram a imagem.

Eles começaram a chamar o sapo de “punk rocker” por sua pele de textura espinhosa. “Não foi até que vimos a incrível textura de sua pele que pensamos, ‘uau, isso é algo diferente’”, disse Katherine Krynak ao Live Science.

Uma rã-da-chuva mutável tem apenas 20 a 23 milímetros de comprimento, e os machos são ainda menores, relata o novo estudo. As rãs da chuva são um grupo rico em espécies que pula o estágio de girino e se transforma em rãs diretamente dentro de seus ovos.

O principal autor do estudo, Juan Guayasamín, professor da Universidad Tecnológica Indoamérica no Equador, sugeriu pela primeira vez que o sapinho poderia ser uma nova espécie, disse Krynak.

5 Awesome Frogs - Album on Imgur
Foto: (reprodução/ internet)

 

Em 2009, os Krynaks finalmente viram outro sapo punk rocker e o agarraram para uma sessão de fotos detalhada, colocando-o em um pequeno copo de plástico durante a noite.

Mas quando Katherine Krynak abriu a xícara na manhã seguinte, as espinhas do sapo haviam sumido.

Pensando que ela havia capturado o sapo errado, Krynak adicionou musgo ao copo para deixar o sapo mais confortável até que eles pudessem devolvê-lo à floresta naquela noite. “Nós dois ficamos muito desapontados porque levamos anos para encontrar outro“, disse ela.

Mas os Krynaks disseram que não acreditariam no que viam na próxima vez que verificassem o sapo. Sua textura espinhosa de pele havia retornado.

Tim Krynak documentou a transição com uma série de fotos em um quadro branco liso, mostrando a transformação do sapo de espinhoso para liso em cerca de cinco minutos.

Foi notável“, disse Katherine Krynak. “Nós dois estávamos em estado de choque neste momento.

Os Krynaks acham que os espinhos que mudam de forma podem fornecer camuflagem nas florestas cobertas de musgo, mas a ideia ainda precisa ser testada. Os pesquisadores também não sabem como a rã transforma sua pele de lisa em espinhosa e depois volta novamente.

No entanto, Guayasamín confirmou que P. mutabilis é uma espécie nova e única por meio de testes genéticos e uma descrição do tamanho do corpo da rã, forma e cor. O coautor do estudo Carl Hutter, da University of Kansas, também documentou os chamados do sapo, identificando três canções que são diferentes das outras espécies.

Descoberta dupla

Durante o estudo, Hütter também descobriu um parente do sapo da chuva punk rocker que também pode mudar a textura da pele. Esta espécie previamente conhecida, chamada primatas sobetes, tem marcas semelhantes, mas é duas vezes maior que a rã-da-chuva recém-encontrada.

As habilidades de mudança de forma de ambos os sapos foram relatadas em 24 de março no Zoological Journal of the Linnean Society.

As duas rãs que mudam de forma estão em grupos diferentes, o que sugere que a característica evoluiu independentemente ou está presente em mais espécies do que foi anteriormente reconhecido, disse Krynak.

A descoberta ilustra a importância de descrever o comportamento de novas espécies e reforça o argumento para a preservação dos habitats dos anfíbios, disse Katherine Krynak. As populações de anfíbios estão em declínio em todo o mundo e a região da Reserva Las

Gralarias está ameaçada pela agricultura e pecuária, acrescentou.

Os anfíbios estão diminuindo tão rapidamente que os cientistas muitas vezes descrevem novas espécies de espécimes de museu porque os animais já foram extintos na natureza, e muito recentemente“, disse Katherine Krynak.

Leia também: Lentes de contato de grafeno podem fornecer visão de predador

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Live Science

ANÚNCIO