Se parecer perigoso, envie os drones

ANÚNCIO

Voar com drones em vulcões está se tornando uma coisa e tanto.

No início deste ano, Cosmos relatou como cientistas alemães e russos usaram dados de drones de satélite para ajudar a documentar o ciclo de vida do vulcão Bezymianny, no leste da Rússia.

ANÚNCIO

Agora, pesquisadores liderados pela University College London usaram drones especialmente adaptados para coletar dados do anteriormente inexplorado vulcão Manam em Papua Nova Guiné 

Eles dizem que suas descobertas, publicadas na Science Advances, mostram pela primeira vez como é possível combinar medições do ar, da Terra e do espaço para aprender mais sobre como vulcões inacessíveis e altamente ativos contribuem para o ciclo global do carbono.

O projeto reuniu vulcanologistas, engenheiros aeroespaciais e outros especialistas do Reino Unido, PNG, Estados Unidos, Canadá, Itália, Suécia, Alemanha, Costa Rica e Nova Zelândia.

ANÚNCIO

Manam, que tem um diâmetro de 10 quilômetros, está localizada em uma ilha a 13 quilômetros da costa nordeste do continente da PNG, a 1.800 metros acima do nível do mar. Suas últimas grandes erupções, entre 2004 e 2006, devastaram grandes partes da ilha e deslocaram a população de cerca de 4.000 pessoas para o continente.

Estudos anteriores mostraram que ele está entre os maiores emissores de dióxido de enxofre do mundo, dizem os pesquisadores, mas nada se sabia sobre sua produção de CO2.

Se parecer perigoso, envie os drones
Foto: (reprodução/ internet)
 

As emissões vulcânicas de CO2 são difíceis de medir devido às altas concentrações na atmosfera de fundo. As medições precisam ser coletadas muito perto das aberturas ativas e, em vulcões perigosos como o Manam, os drones são a única maneira de obter amostras com segurança. No entanto, voos de drones além da linha de visão raramente foram tentados em ambientes vulcânicos.

Ao empregar sensores de gás miniaturizados, espectrômetros e dispositivos de amostragem que são acionados automaticamente para abrir e fechar, a equipe foi capaz de voar com o drone a dois quilômetros de altura e seis quilômetros de distância para chegar ao cume de Manam, onde coletaram amostras de gás para serem analisadas em poucas horas.

Calcular a razão entre os níveis de enxofre e dióxido de carbono nas emissões de um vulcão é fundamental para determinar a probabilidade de uma erupção ocorrer, pois ajuda os vulcanologistas a estabelecer a localização de seu magma.

Manam não foi estudado em detalhes, mas pudemos ver pelos dados de satélite que estava produzindo fortes emissões”, diz a líder do projeto Emma Liu, da UCL. “Os recursos do instituto de monitoramento de vulcões no país são pequenos e a equipe tem uma carga de trabalho incrível, mas eles realmente nos ajudaram a fazer os laços com a comunidade que vive na ilha de Manam.

Após o trabalho de campo, os pesquisadores levantaram fundos para comprar computadores, painéis solares e outras tecnologias para permitir que a comunidade, que agora tem um grupo de preparação para desastres, se comunique via satélite da ilha e forneça treinamento de operações de drones para a equipe do Observatório Vulcanológico Rabaul para auxiliar em seus esforços de monitoramento.

Leia Também:Desvendando segredos universais

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Cosmos

ANÚNCIO