Um acidente com estrela de nêutrons avistado há 3 anos ainda solta raios X, cientistas afirmam

ANÚNCIO

Há três anos, duas estrelas de nêutrons colidiram em uma colisão cataclísmica, a primeira fusão deste tipo já observada diretamente. Naturalmente, os cientistas mantiveram seus olhos atentos – e agora, algo estranho está acontecendo.

Um acidente com estrela de nêutrons avistado há 3 anos ainda solta raios X, cientistas afirmam
Foto: (reprodução/internet)

Astrofísicos observaram a colisão da estrela em 17 de agosto de 2017, detectando pela primeira vez sinais do mesmo evento em um pio de onda gravitacional detectado pelo Laser Interferometer Gravitational – Wave Observatory (LIGO) na Terra e uma explosão maciça de diferentes sabores de luz. 

ANÚNCIO

Raios – X do espaço

Os raios X observados no local a 130 milhões de anos-luz da Terra atingiram seu pico menos de seis meses após a descoberta da fusão, mas de acordo com as observações recolhidas este ano, essa tendência parou, e um sinal de raios X está demorando mais que o esperado, de acordo com a pesquisa apresentada na quinta-feira (14 de janeiro) na 237ª reunião da Sociedade Astronômica Americana, realizada virtualmente devido à pandemia.

“Nossos modelos até agora estavam descrevendo a observação incrivelmente bem, então pensamos que a tínhamos pregado”, disse Eleonora Troja, astrofísica da Universidade de Maryland e do Centro de Voo Espacial Goddard da NASA em Maryland, nos EUA ao site Space.com

“Acho que todos estavam convencidos de que esta coisa iria desaparecer rapidamente, e a última observação mostrou que não está”, ela complementa.

ANÚNCIO

Um check-up espacial

Quando o Observatório de Raio-X Chandra da NASA verificou a fusão anterior, as coisas começaram a parecer suspeitas. Os cientistas pensavam que estavam olhando para o brilho do jato de material de alta energia disparado pela colisão, e esperavam que os raios X tivessem desaparecido no começo do ano.

Leia mais: Astrônomos calcularam que sinais de rádio da Proxima Centauri podem vir de outra civilização

Mas a fonte ainda estava brilhando na visão da nave espacial. Quando o telescópio olhou novamente, em dezembro, ele ainda encontrou um sinal brilhante de raios X.

É muito cedo para saber o que está acontecendo exatamente, disse Troja. Chandra pode não olhar novamente até dezembro, embora planeje pedir que o telescópio mude os planos para verificar mais cedo. Instrumentos de rádio podem estudar a colisão com mais frequência, e podem ajudar a resolver o quebra-cabeça.

As suposições dos pesquisadores

Por enquanto, Troja acredita que uma de duas hipóteses explicará a continuidade das emissões de raios X.

Um acidente com estrela de nêutrons avistado há 3 anos ainda solta raios X, cientistas afirmam
Foto: (reprodução/NASA)

Em um cenário, as radiografias demoradas são unidas pela luz de rádio dentro dos próximos oito meses ou ano. Troja disse que isso sugeriria que os cientistas não estão vendo o brilho posterior dos jatos saindo da colisão, mas o brilho posterior da explosão maciça da Kilonova em si – algo que os cientistas nunca tinham visto antes.

Se as emissões de raios X continuarem mas nenhuma emissão de rádio se juntar a elas, Troja pensa que os cientistas podem estar olhando para algo talvez ainda mais intrigante: a prova de que a colisão formou uma enorme estrela de nêutrons, o maior objeto conhecido até hoje.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fontes: Space.com, American-Astronomical-Society

ANÚNCIO