Astrônomos calcularam que sinais de rádio da Proxima Centauri podem vir de outra civilização

ANÚNCIO

Em 29 de abril de 2019, o Rádio Telescópio Parkes na Austrália começou a listar os sinais de rádio do vizinho mais próximo do Sol, a Proxima Centauri, a pouco mais de 4 anos-luz de distância. O telescópio estava procurando evidências de erupções solares e assim escutou por 30 minutos antes de se reciclar em um quasar distante para recalibrar e depois apontar para trás.

Astrônomos calcularam que sinais de rádio da Proxima Centauri podem vir de outra civilização
Foto: (reprodução/Roberto Molar Candanosa / Carnegie Institution for Science, NASA/SDO, NASA/JPL)

No total, o telescópio reuniu 26 horas de dados. Mas quando os astrônomos o analisaram com mais detalhes, notaram algo estranho – um único tom puro a uma frequência de 982,02 MHz que apareceu cinco vezes nos dados.

ANÚNCIO

O sinal foi relatado pela primeira vez no ano passado no The Guardian, um jornal britânico. O artigo levantou a possibilidade de que o sinal pudesse ser uma evidência de uma civilização avançada em Proxima Centauri, uma estrela anã vermelha que é conhecida por ter um planeta do tamanho da Terra orbitando em sua zona habitável.

Leia mais: A infestação de tardígrados na Lua revela uma incrível resistência de microrganismos no espaço

Mas os pesquisadores têm constantemente minimizado esta possibilidade dizendo que, no mínimo, o sinal deve ser observado novamente antes que qualquer conclusão possa ser tirada. De fato, o sinal não foi visto novamente, apesar de várias buscas.

ANÚNCIO

Agora Amir Siraj e Abraham Loeb da Universidade de Harvard em Cambridge, Massachusetts, nos EUA,  calcularam a probabilidade de que o sinal veio de uma civilização em Proxima Centauri, mesmo sem outra observação. Eles dizem que as probabilidades são tão baixas que efetivamente descartam a possibilidade – desde que as suposições que eles fazem em seus cálculos sejam válidas.

Inteligência Extraterrestre

O novo sinal foi encontrado por pesquisadores no projeto Breakthrough Listen, uma colaboração internacional de astrônomos em busca de evidências de inteligência extraterrestre e financiado pelo bilionário Yuri Milner. Eles chamaram o sinal de “Breakthrough Listen Candidate 1” ou BLC1.

O sinal é interessante porque os tons geralmente não ocorrem na natureza, o que em vez disso tende a produzir ruído de banda larga. Mas o BLC1 tem todas as características de uma assinatura tecnológica – uma que tem origem em uma civilização tecnologicamente capaz.

Leia também: NASA declara o fim da “toupeira” escavadora de Marte e continua pesquisas sobre o solo do planeta vermelho

De longe, a origem mais provável é a Terra. A maioria dos sinais deste tipo são rapidamente atribuídos à interferência de rádio de celulares próximos, fornos de microondas, carros de passagem, aeronaves e satélites e similares.

Mas a equipe que analisa este sinal ainda não encontrou uma fonte óbvia. E eles dizem que a frequência do sinal deriva ligeiramente com o tempo, um fenômeno consistente com um sinal de um corpo em rotação ou órbita. Isto aumentou a intriga.

O sinal misterioso e a evidência espacial

Portanto, o trabalho de Siraj e Loeb é oportuno. Sua abordagem é baseada no Princípio Copernicano, a ideia de que a Terra não tem lugar privilegiado no universo e não está em nenhum momento especial, de modo que as observações feitas a partir daqui não são mais incomuns do que as observações feitas em qualquer outro lugar do universo.

Este princípio tem um passado histórico. Tem o nome do astrônomo Nicolaus Copérnico do século XIV, que sugeriu que a Terra não estava no centro do universo e, em vez disso, orbitava o Sol. Quase 30 anos atrás, o astrônomo Richard Gott usou o mesmo princípio para mostrar com 95% de confiança que nossa espécie é capaz de sobreviver por pelo menos 200.000 anos, mas não mais de 8 milhões de anos.

Astrônomos calcularam que sinais de rádio da Proxima Centauri podem vir de outra civilização
Foto: (reprodução/AFP)

A ideia básica é que a humanidade teve um começo e que eventualmente chegará ao fim. Atualmente nos sentamos em algum lugar na linha do tempo no meio, mas em nenhum lugar ou momento especial, não particularmente perto do início ou do fim. 

Em termos matemáticos, é improvável que estejamos nos primeiros 2,5% da existência da humanidade ou nos 2,5% finais. Portanto, com 95 por cento de confiança com base nesses cálculos e nas evidências, devemos estar no meio.

Os argumentos científicos

De fato, Gott usou o mesmo argumento para sugerir que as chances de encontrar evidências de vida inteligente em outros lugares de nossa galáxia são mínimas, mesmo que assumamos que essas civilizações devam existir. Dado que só somos radio-capazes há pouco mais de cem anos, as chances deste período se sobreporem à capacidade similar de outra civilização são minúsculas. 

“Não é provável que uma busca por rádio direcionada de 1.000 estrelas próximas seja bem sucedida”, diz Gott.

Siraj e Loeb aplicam o mesmo argumento à probabilidade de que a capacidade de rádio de nossa civilização se sobreponha à capacidade de rádio de outra civilização em Proxima Centauri, e os números não são promissores

Eles concluem que, se o BLC1 fosse produzido por uma civilização tecnologicamente avançada, isso violaria o Princípio Copérnico por oito ordens de magnitude. 

Traduzido e editado por equipe: Isto é Interessante 

Fontes: Discover Magazine, The Guardian, Cornell University

ANÚNCIO