Nova descoberta de arqueólogos mexicanos revelam história de canibalismo e conquista

ANÚNCIO

Novas pesquisas sugerem que conquistadores espanhóis massacraram pelo menos uma dúzia de mulheres e seus filhos em uma cidade asteca, onde os habitantes sacrificaram e comeram um destacamento de espanhóis que haviam capturado meses antes.

Nova descoberta de arqueólogos mexicanos revelam história de canibalismo e conquista
Foto: (reprodução/Rebecca Blackwell/AP)

O Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH) publicou na segunda-feira (18) os resultados de anos de trabalho de escavação na cidade de Tecoaque, que significa “o lugar onde eles os comeram” na língua náuatle dos astecas.

ANÚNCIO

Moradores de Tecoaque, também conhecidos como Zultepec, capturaram um comboio de cerca de 15 homens espanhóis, 50 mulheres e 10 crianças e soldados que incluíam cubanos de origem africana e indígena, e cerca de 350 aliados de grupos indígenas em 1520. Todos foram aparentemente sacrificados no espaço de meses.

Quando soube disso, o conquistador Hernán Cortés ordenou a Gonzalo de Sandoval que destruísse a cidade em vingança no início de 1521.

Conquistadores sacrificados e comidos pelo povo asteca, dizem os arqueólogos.

ANÚNCIO

Uma história de vingança e conquista

O arqueólogo Enrique Martínez Vargas disse que as escavações sugerem que os habitantes de Tecoaque sabiam que um ataque de represália estava chegando e atiraram os ossos dos espanhóis – alguns dos quais haviam sido esculpidos em troféus – e outras evidências em poços rasos.

Os habitantes da cidade também tentaram erguer algumas obras defensivas primitivas ao longo da rua principal da cidade, nenhuma das quais funcionou quando De Sandoval e sua expedição “punitiva” entraram.

Nova descoberta de arqueólogos mexicanos revelam história de canibalismo e conquista
Tecoaque. Foto: (reprodução/internet)

“Alguns dos guerreiros que haviam ficado na cidade conseguiram fugir, mas mulheres e crianças ficaram, e foram as principais vítimas”, disse o Instituto em uma declaração. 

“Isto pudemos demonstrar em uma extensão de 120 metros da rua principal, onde foram encontrados os esqueletos de uma dúzia de mulheres que pareciam estar ‘protegendo’ os ossos de 10 crianças entre cinco e seis anos de idade”.

Leia mais: A derrota militar de Napoleão no Egito que rendeu uma vitória para a história

“A colocação dos enterros sugere que estas pessoas estavam fugindo, foram massacradas e enterradas apressadamente”, disse o instituto. “Mulheres e crianças que estavam abrigadas dentro de salas foram mutiladas, como evidenciado pela descoberta de ossos no chão. Os templos foram queimados e as estátuas foram decapitadas”.

Tecoaque, uma cidade assombrada

A crueldade estava em exposição de ambos os lados na Tecoaque, o local de uma das piores derrotas na conquista espanhola de 1519-21.

As cabeças das mulheres espanholas cativas foram enfiadas em racks de crânio ao lado das dos homens. Uma análise dos ossos revelou que as mulheres estavam grávidas, e na prática pré-hispânica que pode tê-las qualificado como “guerreiras”. 

Um homem espanhol foi desmembrado e queimado para replicar os destinos míticos dos deuses da era asteca, segundo um mito conhecido como “El Quinto Sol”, ou o Quinto Sol.

O que os arqueólogos descobriram

O comboio era composto por pessoas enviadas de Cuba em uma segunda expedição um ano após o desembarque inicial de Cortés em 1519 e elas estavam se dirigindo para a capital asteca com suprimentos e bens dos conquistadores. Cortés tinha sido forçado a deixar o comboio por conta própria enquanto tentava resgatar suas tropas de uma revolta no que hoje é a Cidade do México.

Leia também: Pergaminho de 3 metros revela mais um capítulo do “Livro dos Mortos” no Egito

Os membros do comboio capturado foram mantidos prisioneiros em celas sem portas, onde foram alimentados durante seis meses, disseram os especialistas. Pouco a pouco, a cidade sacrificou e aparentemente comeu os cavalos, homens e mulheres. Em contraste, os esqueletos dos europeus capturados foram dilacerados e deixaram marcas de corte indicando que a carne foi retirada dos ossos.

Cortés conquistou a capital asteca mais tarde, em 1521. E o México está marcando o 500º aniversário da conquista este ano com uma rodada especial de pesquisa e conferências acadêmicas.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fontes: The Guardian, INAH

ANÚNCIO