A infestação de tardígrados na Lua revela uma incrível resistência de microrganismos no espaço

ANÚNCIO

Cientistas estão em busca da conclusão sobre o por quê tardígrados conseguem sobreviver em superfícies tão remotamente difíceis como a Lua, mas é de conhecimento geral que as criaturas microscópicas já sobreviveram às duras condições do espaço antes.

A infestação de tardígrados na Lua revela uma incrível resistência de microrganismos no espaço
Foto: (reprodução/NASA)

Em abril de 2019, a nave espacial israelense Beresheet caiu na Lua. Ao longo da viagem estavam milhares de criaturas minúsculas, que os cientistas agora pensam que podem ter derramado e se espalhado sobre a superfície lunar.

ANÚNCIO

A Beresheet tinha alguma carga incomum. Numa tentativa de documentar a vida na Terra, uma organização sem fins lucrativos com o nome de Arch Mission (Missão Arca) enviou uma biblioteca para a Lua a bordo da embarcação. 

Leia mais: NASA declara o fim da “toupeira” escavadora de Marte e continua pesquisas sobre o solo do planeta vermelho

Essa biblioteca da vida incluía uma pilha de discos arquivando 30 milhões de páginas de informações sobre a Terra, uma cópia de toda a Wikipédia em inglês, amostras de DNA humano e uma mega-carga de milhares de atrasados. Mas além dessa carga impressionantemente variada, a Beresheet também carregava outra coisa, os tardígrados.

ANÚNCIO

Micro criaturas em direção à Lua

Tardígrados são animais microscópicos, também conhecidos como ursos d’água. Eles também podem agora ser os únicos organismos (potencialmente) vivos na Lua.

Os estranhos ocupantes de Beresheet eram tardígrados desidratados, um processo que essencialmente retarda seu metabolismo e os suspende em estado de quase vida. A ideia era que, se eles fossem reidratados por alguém ou algo, então eles voltariam à vida, ostensivamente contando aos futuros exploradores lunares sobre a vida na Terra hoje.

A infestação de tardígrados na Lua revela uma incrível resistência de microrganismos no espaço
Foto: (reprodção/internet)

A ideia parece impressionante, contudo existe um problema: A nave que transportava os tardígrados não pousou de acordo com o plano e caiu na superfície lunar, perdendo o contato com o controle do solo.

Apesar do impacto, os cientistas acreditam que se algo sobreviveu intacto ao acidente, pode muito bem ter sido os tardígrados. As criaturas microscópicas foram embaladas entre folhas finas de níquel e suspensas em epóxi, um conservante tipo resina que age como uma geleia – potencialmente suficiente para amortecer seu pouso.

A incrível resistência dos tardígrados

Esta não é uma ideia totalmente estranha. Os tardígrados têm demonstrado sobreviver às duras condições do espaço no passado.

Leia também: Uma nova partícula quântica pode ter sido acidentalmente descoberta

Em setembro de 2007, duas espécies de tardígrados desidratados foram expostos ao vácuo do espaço, à radiação solar ou a ambos a bordo da missão Foton-M3 da NASA. De volta à Terra, após serem reidratados, os tardigrades expostos ao vácuo do espaço sobreviveram como se nada tivesse acontecido.

Se eles enfiassem a aterrissagem, os tardígrados teriam dificuldade em encontrar água líquida na superfície lunar para rejuvenescê-los.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fontes: Inverse, Space IL

ANÚNCIO