Uma breve história das transições presidenciais mais difíceis dos EUA

ANÚNCIO

A história presidencial conta com alguns atos de presidentes dos Estados Unidos serviram o fim de seus mandatos, lutando contra desastres econômicos, crises internacionais e até mesmo estados que se separaram da União.

Uma breve história das transições presidenciais mais difíceis dos EUA
Congresso dos Estados Unidos. Foto: (reprodução/internet)

Os últimos dias de mandato do Presidente Donald Trump foram historicamente tumultuosos. Depois que Trump passou meses tentando anular as eleições com alegações infundadas de fraude eleitoral, uma multidão armada de seus apoiadores invadiu o Capitólio dos EUA para interromper a contagem dos votos dos colégios eleitorais. 

ANÚNCIO

Os presidentes cessantes dos EUA há muito tempo são chamados de “patos mancos”, um comentário sobre como são enfraquecidos em seus dias de mandato e não conseguem governar direito. 

Mas o país já assistiu a períodos turbulentos desde seus primeiros dias, muitos presidentes dos EUA têm trabalhado até o último minuto para empurrar suas agendas. Outros se sentaram em suas mãos enquanto a economia se afundava – e mesmo quando a nação se desfez. 

John Adams e os “juízes da meia-noite”

Em dezembro de 1800, o presidente federalista John Adams havia acabado de perder a reeleição quando o presidente da Suprema Corte, Oliver Ellsworth, renunciou ao seu cargo. Com o fim de seu mandato a apenas três meses de distância, Adams agiu. 

ANÚNCIO

“Adams não se via como um ‘pato manco”, escreve o historiador Richard A. Samuelson. “Ele não via razão para deixar de exercer os poderes do cargo só porque logo não os manteria mais”.

Uma breve história das transições presidenciais mais difíceis dos EUA
John Adams. Foto: (reprodução/National Portrait Gallery)

Adams e seu Congresso federalista moveram-se rapidamente tanto para substituir o chefe de justiça quanto para reformular o judiciário de acordo com sua visão de expandir os poderes federais sobre os estados. 

Depois de confirmar o Secretário de Estado John Marshall à Suprema Corte, o Congresso aprovou a Lei Judiciária de 1801 que reduziu a Suprema Corte de seis para cinco cadeiras e criou 16 novos juízes federais. Em 24 de fevereiro, Adams havia submetido suas nomeações para essas funções – então assinou algumas outras comissões de juízes em 3 de março, seu último dia no cargo. 

Leia também: A estratégia mal orientada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial

Os democratas-republicanos, um dos primeiros partidos políticos liderados pelo presidente eleito Thomas Jefferson, ficaram indignados. Vendo estas ações como uma tentativa partidária de embalar o tribunal e subverter sua agenda, os legisladores revogaram a lei antes que ela pudesse entrar em vigor

Nos anos seguintes, as nomeações de última hora de Adams ficaram conhecidas como os “juízes da meia-noite”.

Os Estados se separaram na vigília de James Buchanan

O termo “panto manco” mais consequente na história dos EUA foi o do presidente James Buchanan, que supervisionou o desdobramento do país em meio às tensões entre o Norte e o Sul sobre a escravidão. Durante os últimos meses de sua presidência – e em resposta à eleição de novembro de 1860 do republicano Abraham Lincoln-Estados do Sul para o combate à escravidão – começou a debater a saída da União.

Leia mais: O início de um dos maiores julgamentos de máfia em um tribunal na Itália

Embora Buchanan tenha se pronunciado contra a secessão em seu discurso de 3 de dezembro no Estado da União, ele afirmou que estava “além do poder de qualquer presidente” fazer qualquer coisa a respeito – e colocar a culpa nos Estados do Norte por agitarem contra a escravidão no Sul. Menos de três semanas depois, a Carolina do Sul tornou-se o primeiro estado na Guerra de Secessão.

Uma breve história das transições presidenciais mais difíceis dos EUA
Foto: (reprodução/LancasterHistory.org)

Buchanan tomou uma posição de curta duração quando os moradores de Carolina do Sul exigiram que as forças federais se retirassem de Fort Sumter no porto de Charleston. No início de janeiro, Buchanan enviou um navio com reforços para a base da Carolina. No entanto, quando os sulistas dispararam sobre o navio, Buchanan adiou para o Congresso para responder – e nenhum dos dois ramos do governo tomou medidas.

Nos dias que se seguiram, vários outros estados se separaram da União. Na inauguração de Lincoln em 4 de março de 1861, um total de sete se separaram – e outros quatro logo se seguiram, formando os Estados Confederados da América e incendiando a Guerra Civil. 

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fontes: National Geographic, The New York Times, The White House, Library of Congress, Miller Center

ANÚNCIO