Como a Europa Medieval finalmente se livrou dos números romanos

ANÚNCIO

O sistema numérico hindu-rábico que usamos na vida cotidiana foi verdadeiramente revolucionário. Por que demorou tanto tempo para o Ocidente aderí-lo?

Como a Europa Medieval finalmente se livrou dos números romanos

ANÚNCIO

É um pequeno trocadilho de números, mas honestamente, os números romanos não são bons para muito – basta tentar calcular impostos com eles. No século VI d.C. (e possivelmente até antes) um sistema muito melhor, agora chamado de sistema numérico hindu-rábico, foi desenvolvido na Índia. 

Ele usa apenas 10 numerais: de um a nove, mais zero – e apenas esses numerais. Nenhum símbolo especial é necessário para 50, 100, mil ou qualquer outro número – apenas combinações desses 10 algarismos. O sistema hindu-rábico é um sistema de valor de lugar, ou seja, a posição de um numeral indica seu valor. Assim, no número 459, os quatro representam 400; os cinco representam 50. 

A matemática na Europa Medieval

Isto pode nos parecer óbvio, já que esse é o sistema numérico que usamos agora, mas não era tão claro para os europeus medievais. Até o século XIII, eles tinham que se contentar com os numerais romanos. O sistema romano era bom para registrar quantidades de coisas, mas não tão útil para manipular essas quantidades. 

ANÚNCIO

O ábaco – ou quadro de contagem – era útil, mas limitado. E para cálculos mais complexos, os algarismos romanos não eram tão úteis. Isto colocava sérios limites ao comércio, ao comércio e, especialmente, à ciência.

Como a Europa Medieval finalmente se livrou dos números romanos

Enquanto isso, as culturas que utilizavam o sistema hindu-rábico não só tiveram um tempo mais fácil com a aritmética básica, mas também foram capazes de empreender uma matemática mais complexa. Isto lhes permitiu fazer grandes avanços em álgebra e geometria enquanto os europeus trabalhavam com numerais romanos.

Viagem da Índia

Como comerciantes da Índia trabalhavam no Norte da África, eles levaram seu sistema numérico com eles. No século XII, o sistema hindu-rábico era comum nos portos ao longo do Mediterrâneo. Os colonos árabes haviam trazido o sistema para a Espanha, e alguns estudiosos italianos o haviam descoberto e o estavam usando para trabalhos científicos. 

Mas não foi familiarizado por muitos até o ano de 1202, quando o matemático italiano Leonardo de Pisa – que conhecemos hoje como Fibonacci, famoso pela teoria dos números e a série Fibonacci – escreveu um livro de matemática chamado Liber Abbaci (O Livro de Cálculos). 

Leia também: Descoberta de ferramentas com dois milhões de anos mostra adaptabilidade humana

Nele, ele exortava as pessoas a abaixar o ábaco e usar o sistema hindu-rábico para os cálculos. E ele lhes mostrou como. Fibonacci tinha aprendido o sistema quando criança, quando passou um tempo na Argélia. Sendo o gênio que ele era, ele viu imediatamente o potencial.

O novo sistema na Europa

O novo sistema não pegou rapidamente. Por muitos anos, o livro de Fibonacci foi lido e compreendido principalmente por acadêmicos, que gradualmente incorporaram seus ensinamentos em seus próprios livros. E, mesmo assim, o velho sistema romano – desajeitado e limitado como era – funcionava bem o suficiente para aquilo para o qual era usado. 

Leia mais: As cartas particulares dos faraós que expõem como funcionava a política no Egito há 3.300 anos

Poucos puderam ver as possibilidades que o novo sistema abriria, e os hábitos são difíceis de mudar. Eventualmente, porém, o sistema hindu-rábico se instalou na Europa. 

Embora tenha levado algum tempo para que o sistema hindu-rábico fosse compreendido e aceito, as mudanças que ele gerou foram de longo alcance, transformando não apenas o comércio e as ciências, mas também a vida cotidiana. Uma vez que se tornou a forma padrão de ensino de cálculo, deu às pessoas comuns uma maneira de dominar e usar o poder da matemática

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fontes: Discover Magazine, Damn Interesting

ANÚNCIO