A estratégia mal orientada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial

ANÚNCIO

Em 1944, o exército americano enfrentou uma necessidade repentina de uma bomba realmente, realmente grande. Em vez de desenvolver as bombas, as Forças Aéreas do Exército dos EUA decidiram transformar os bombardeiros B-17 em bombas teleguiadas. O programa era para combater a série V de super-armas de Hitler.

A estratégia mal orientada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial

ANÚNCIO

Os Estados Unidos produziram tantas armas durante a Segunda Guerra Mundial que foi apelidado de “O Arsenal da Democracia”. Uma das armas que ela não produziu, no entanto, foi uma bomba realmente, realmente grande.

Diante da súbita necessidade de uma bomba convencional, altamente explosiva, as Forças Aéreas do Exército dos EUA (AAF) chegaram a uma solução criativa: pegar velhos e quase gastos B-17 e transformá-los em bombas voadoras. Embora as Forças Aéreas do Exército merecessem pontos de criatividade, no entanto, o programa foi um fracasso, com muitas das “bombas” ficando aquém de seus alvos.

Leia mais: A história da tragédia de Centralia de 1919

ANÚNCIO

A AAF foi a maior e mais poderosa força aérea da Segunda Guerra Mundial, capaz de reunir centenas de aviões para uma missão de curto prazo, ao cair de um chapéu. Durante a segunda metade da guerra, a AAF voou diariamente milhares de aviões sobre o território inimigo. Os EUA perderam 10.561 aeronaves somente sobre a Europa, incluindo 4.754 bombardeiros da B-17.

A História de Um Famoso B-17

As Forças Aéreas do Exército dos EUA  tinham um ponto cego: Entraram na Segunda Guerra Mundial determinada a sufocar a Alemanha com milhões de bombas de tamanhos menores, mas nunca desenvolveu bombas grandes e superdimensionadas para atingir alvos fortemente fortificados, tais como o “Tall Boy” do Reino Unido.

Em 1944, Adolf Hitler estava desenvolvendo uma série de “armas milagrosas” para a Alemanha, ou armas pouco ortodoxas destinadas a acabar com a motivação dos aliados. A Alemanha liberou a bomba voadora V-1 e o foguete V-2 contra alvos civis britânicos, portos e outras instalações importantes. 

Enquanto o Reino Unido tinha seus bombardeiros Lancaster carregados com bombas para atacar locais fortificados de “armas-maravilha”, os Estados Unidos não tinham tal bomba.

A estratégia mal orientada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial

Mas então, alguém decidiu transformar o próprio B-17 em uma grande bomba.

A AAF levou os B-17 mais antigos para perto de suas vidas úteis e os transformou em bombas controladas à distância. A AAF eliminou a maioria da tripulação, armaduras e armas, substituindo até 13.000kg de esplosivos de alta potência em seu lugar. A aeronave, voando sem tripulação, poderia ser controlada pelo tripulante de outro bombardeiro voando nas proximidades, direcionando-a para o alvo.

Leia também: O início de um dos maiores julgamentos de máfia em um tribunal na Itália

A AAF posicionou as bombas B-17 contra três tipos de alvos: As instalações V-1 e V-2, e a relativamente obscura arma V-3 “supergun”, essencialmente um canhão gigante que a Alemanha nazista construiu para atingir o Reino Unido.

Como a B-29 Modernizou a Força Aérea Americana

O conceito de bomba B-17 soava bem em teoria, mas na execução, ele sofria de problemas claros. Para começar, o B-17 não conseguia decolar sozinho, então um piloto e um engenheiro de voo tiveram que colocar a bomba no ar e depois fazer a ligação com o bombardeiro controlador. Uma vez terminado o trabalho, ambos os homens iriam de paraquedas do avião para a segurança.

Mas isto não era tão seguro quanto parecia, e vários homens foram mortos ao sair do bombardeiro B-17. Outros B-17s não atracados não conseguiram atingir seus alvos, vítimas das limitações da tecnologia de controle existente e do fogo.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fontes: Popular Mechanics, The Conversation, Taphilo

ANÚNCIO