As cartas particulares dos faraós que expõem como funcionava a política no Egito há 3.300 anos

ANÚNCIO

As Cartas de Amarna preservam um olhar interno sobre a diplomacia egípcia, revelando como os corretores de poder manobravam, as alianças eram forjadas e os faraós eram lisonjeados.

As cartas particulares dos faraós que expõem como funcionava a política no Egito há 3.300 anos
Amarna.Foto: (reprodução/Paul Docherty.)

Arqueologistas estabelecem em não apenas um, ou alguns, mas todo um esconderijo de documentos que transforma completamente sua compreensão de um período antigo, e cujos detalhes fascinantes trazem esse tempo distante em foco aguçado. O tesouro que transformou a egiptologia é sem dúvida o das Cartas de Amarna, 382 tabletes de argila considerados os mais antigos documentos da diplomacia encontrados.

ANÚNCIO

Escrito no século XIV a.C., eles consistem em correspondência entre os faraós e seus reis rivais, os babilônios, assírios, hititas e mitanni, assim como cartas de reis fantoches sob o domínio egípcio. Começando no reinado de Amenhotep III (1390-1353 a.C.), o grande rei construtor do Egito, o arquivo também acompanha o reinado de seu filho, Aquenáton (1353-1336 a.C.), cuja revolução religiosa convulsionou o antigo Egito por uma geração

As cartas abrem uma janela para o Egito da 18ª dinastia e dão um retrato detalhado do Mediterrâneo oriental e do Oriente Médio no final da Idade do Bronze, assim como o Egito estava consolidando sua grandeza e o novo poder da Assíria estava começando a florescer.

As cartas secretas do Egito Antigo

Revelando a bajulação dos escritores, a arrogância, o ciúme e a rasteira, as cartas também fornecem uma visão da complexidade em desenvolvimento da diplomacia internacional. O crescimento de grandes impérios, que se apressavam a supremacia, tinha criado a necessidade de um sistema de regras, e os comunicados de Amarna dão aos historiadores uma visão incomparável de como funcionavam.

ANÚNCIO

Leia mais: Crocodilos no Egito Antigo

A antiga cidade foi identificada em Amarna no final dos anos 1700, quando a pedra marco de Aquenáton foi encontrada lá. As cartas surgiram na década de 1880, após uma série de achados. À medida que a notícia de sua existência se espalhou, o local adquiriu subitamente uma enorme importância arqueológica. 

O curador do Museu Britânico, Wallis Budge, conseguiu obter um lote de 82 peças. Um número significativo de comprimidos também encontrou seu caminho através do mercado de antiguidades para o Museu Egípcio no Cairo e para o Museu Staatliche em Berlim.

A escavação rumo às cartas

Liderada pelo egiptólogo britânico William Flinders Petrie na década de 1890, a primeira escavação significativa em Amarna logo descobriu mais comprimidos da época de Akhenaten. Durante sua primeira campanha, Petrie escavou um prédio com o nome “Bureau of Correspondence of Pharaoh” carimbado em seus tijolos.

Arqueólogo meticuloso, Petrie também tinha um instinto de publicidade. Ele sabia que as Cartas de Amarna ajudariam a atrair os clientes para financiar a escavação. Seus exames da riqueza documental das cartas e dos restos arqueológicos da antiga capital aumentaram enormemente o conhecimento desta dinastia e do Novo Reino.

Leia também: Arqueólogos descobrem fast-food em Pompéia

Nem todas as cartas foram encontradas de uma só vez. Quando o linguista norueguês Jørgen Alexander Knudtzon as ordenou cronologicamente dentro de agrupamentos geográficos no início dos anos 1900, havia 358. As 24 restantes foram descobertas no decorrer do século XX e incorporadas ao sistema de numeração de Knudtzon, ainda hoje utilizado pelos estudiosos. 

O que as cartas dizem

As cartas não são escritas no antigo Egito, mas em acádio, uma língua falada amplamente na antiga Mesopotâmia. No segundo milênio a.C., o acádio tornou-se uma lingua franca em toda a região, semelhante ao papel que o inglês desempenha hoje nas relações internacionais. 

As cartas particulares dos faraós que expõem como funcionava a política no Egito há 3.300 anos
Cartas de Armana. Cartas de Abi-milku, príncipe de Tiro, para o rei do Egito.Museu Britânico. N° E29811

Ele é escrito no sistema de escrita em forma de cunha, cuneiforme. A maioria das tabuletas encontradas até o momento são cartas recebidas pelos egípcios. Apenas algumas cópias foram retidas de cartas escritas pelos faraós.

Por mais complexa que seja hoje, a situação geopolítica no Oriente Médio era complexa e em fluxo no século XIV a.C. Foi durante este período que os Hatti (Hittites) estavam se expandindo, enquanto o outrora poderoso reino de Mitanni entrava em declínio. O Império Assírio, baseado em Ashur, aproveitou o vácuo de poder para crescer, enquanto a casa da Babilônia se manteve forte, mas permaneceu cautelosa com a ameaça da Assíria.

As cartas de Amarna refletem esta mudança. Além de defender os interesses dos outros grandes atores regionais, o Egito teve que manter suas propriedades imperiais no Levante, onde cidades como Tyre reclamaram do assédio do misterioso povo Habiru. O faraó também estava em alerta por sinais de traição de seus governantes marionetistas.

Um reflexo da política 

Algumas das cartas remontam ao reinado de Amenhotep III e sua grande esposa real, Tiye, que também era mãe de Akhenaten. Após a morte de Amenhotep, sua viúva permaneceu poderosa quando seu filho tomou o trono. Akhenaten levou consigo os arquivos de seu pai para a nova capital como um registro das relações diplomáticas com os aliados e estados vassalos do Egito.

Em contraste, as cartas escritas pelos iguais do faraó, governantes das grandes potências regionais, são cuidadosas como e quando demonstram que estão em pé de maior igualdade. Os estudiosos às vezes se referem às principais potências regionais desta época como o “Clube das Grandes Potências”, que nesta época consistia do Egito, Babilônia, Assíria, Mitanni (centrado no sudeste da Turquia moderna), e “Hatti”, o império hitita. 

As cartas particulares dos faraós que expõem como funcionava a política no Egito há 3.300 anos
Aquenáton. Foto: (reprodução/internet)

Outro membro do clube era Alashiya, a ilha de Chipre. Embora geograficamente pequena, a nação da ilha era economicamente poderosa graças a suas reservas de cobre.

Uma das cartas mais reveladoras sobre realeza e poder são aquelas enviadas de Tushratta, rei de Mitanni, cujo império em expansão tinha uma fronteira sul com as propriedades mais setentrionais do Egito no Líbano. Tushratta abre suas cartas com uma saudação codificada, estabelecida pelas Grandes Potências para estabelecer a autenticidade do remetente. A carta 27 toma a forma de um elaborado padrão de desejo de bem estar.

A capital de Akhenaten foi deixada para o deserto para ser engolida. Em algum momento de seu abandono, um funcionário público deve ter colocado as placas diplomáticas em dois pequenos fossos sob o piso do prédio administrativo, onde permaneceram em seu esconderijo. Lá, eles foram descobertos durante outra era do império, mais de 3.000 anos depois.

Traduzido e editado por equipe: Isto é Interessante 

Fonte: Nat Geographic,

ANÚNCIO