As cartas secretas das primeiras mulheres de negócios da história

ANÚNCIO

Por volta de 1870BC, na cidade de Assur, no norte do Iraque, uma mulher chamada Ahaha desvendou um caso de fraude financeira. Ahaha tinha investido no comércio de longa distância entre Assur e a cidade de Kanesh, na Turquia. 

As cartas secretas das primeiras mulheres de negócios da história
Foto: (reprodução/Cecile Michel, Archaeological Mission of Kültepe)

Ela e outros investidores tinham juntado prata para financiar uma caravana de burros entregando estanho e têxteis a Kanesh, onde os bens seriam trocados por mais prata, gerando um lucro considerável. Mas a parte de Ahaha nos lucros parecia ter desaparecido – possivelmente desviada por um de seus próprios irmãos, Buzazu. Então, ela pegou um canivete e uma tábua de barro e rabiscou uma carta para outro irmão, Assur-mutappil, pedindo ajuda: 

ANÚNCIO

“Não tenho mais nada além desses fundos”, escreveu ela em roteiro cuneiforme. “Tome cuidado para agir para que eu não seja arruinado”! Ela instruiu Assur-mutappil para recuperar sua prata e atualizá-la rapidamente. 

“Que uma carta detalhada de você venha até mim na próxima caravana, dizendo se eles pagarem a prata”, escreveu ela em outra tabuleta. “Agora é o momento de me fazer um favor e de me salvar do estresse financeiro!” 

As cartas misteriosas

As cartas de Ahaha estão entre as 23.000 tabuletas de barro escavadas nas últimas décadas das ruínas das casas dos comerciantes em Kanesh. Elas pertenciam a expatriados assírios que haviam se estabelecido em Kanesh e mantiveram correspondência com suas famílias em Assur, que se encontravam a seis semanas de distância por uma caravana de burros. 

ANÚNCIO

Um novo livro dá uma visão sem precedentes de um grupo notável dentro desta comunidade: mulheres que aproveitaram as novas oportunidades oferecidas pelas mudanças sociais e econômicas, e assumiram papéis mais tipicamente preenchidos por homens na época. Elas se tornaram as primeiras mulheres de negócios, banqueiras e investidoras conhecidas na história da humanidade. 

A maior parte das cartas, contratos e decisões judiciais encontradas em Kanesh datam de cerca de 1900-1850 a.C., período em que a rede comercial dos assírios estava florescendo, trazendo prosperidade para a região e dando origem a muitas inovações. 

Fortes e independentes 

Os assírios inventaram certas formas de investimento e também estavam entre os primeiros homens e mulheres a escrever suas próprias cartas, em vez de ditarem o conteúdo a escribas profissionais. É graças a essas cartas que podemos ouvir um coro de vozes femininas vibrantes nos dizendo que, mesmo num passado distante, o comércio e a inovação não eram domínios exclusivos dos homens.

Enquanto seus maridos estavam na estrada, ou faziam negócios em algum acordo comercial distante, estas mulheres cuidavam de seus negócios em casa. Mas elas também acumularam e administraram sua própria riqueza e gradualmente ganharam mais poder em suas vidas pessoais. 

As cartas secretas das primeiras mulheres de negócios da história
Foto: (reprodução/ Havadan Kayseri)

“Estas mulheres eram realmente fortes e independentes, porque estavam sozinhas, eram as chefes de família enquanto o marido estava fora”, diz Cécile Michel, pesquisadora sênior do Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS) na França, e autora do livro, intitulado “Mulheres de Assur e Kanesh”. 

Mulheres de negócios

Por meio de mais de 300 cartas e outros documentos, o livro conta uma história impressionante, detalhada e colorida das lutas e triunfos das mulheres. Embora repletas de drama e aventura, as próprias cartas de barro são minúsculas, do tamanho da palma de uma mão. 

Leia também: As mulheres-maravilhas de 2.000 anos que inspiraram a história em quadrinhos

A história das mulheres de negócios está ligada à da comunidade comercial assíria como um todo. Em seu auge, as assírias estavam entre os comerciantes mais bem sucedidos e bem conectados do Oriente Próximo. Suas caravanas de até 300 burros cruzavam montanhas e planícies desabitadas, carregando matérias-primas, mercadorias de luxo e, é claro, cartas de barro. 

“Foi uma perna de uma enorme rede internacional, que começou em algum lugar da Ásia Central, com lapis-lazuli do Afeganistão, carnelian do Paquistão, e a lata pode ter vindo do Irã ou mais a leste”, diz Jan Gerrit Dercksen, um assiriólogo da Universidade de Leiden, na Holanda, que também trabalhou com as pastilhas de Kanesh. 

Construído por mulheres

Comerciantes estrangeiros trouxeram estas mercadorias para os portões de Assur, junto com os têxteis da Babilônia, no sul do Iraque. Eles foram vendidos aos assírios, que os embalaram em caravanas com destino a Kanesh e outras cidades da região da Anatólia, na Turquia, onde foram vendidos por ouro e prata. 

As cartas secretas das primeiras mulheres de negócios da história
Foto: (reprodução/internet)

Instrumentos financeiros complexos facilitaram este comércio, como o “naruqqum”, que literalmente significa “bolsa”. Refere-se a uma sociedade anônima na qual investidores assírios reuniram sua prata para financiar caravanas lideradas pelos comerciantes durante muitos anos. 

Leia mais: A pintura de 45.000 anos de idade de porcos na Indonésia pode ser a arte animal mais antiga

Os comerciantes também desenvolveram um jargão empresarial animado. “A tábua está morta” significava que uma dívida havia sido paga e o contrato da tábua de barro, portanto, foi cancelado. “Prata com fome” referia-se à prata que não estava sendo investida, ociosa, em vez de gerar lucro.

A criação de uma sociedade

As mulheres assírias contribuíram para esta agitada rede comercial produzindo têxteis para exportação, concedendo empréstimos a comerciantes, comprando e vendendo casas, e investindo no naruqqum. 

Suas habilidades como tecelãs lhes permitiram ganhar sua própria prata. Elas mantiveram um olho vivo na moda estrangeira e nas tendências do mercado para garantir os melhores preços, bem como nos impostos e outros custos que prejudicaram seus lucros. 

“Eles realmente são contadores. Eles sabem perfeitamente bem o que deveriam receber de volta em troca de seus têxteis. E quando ganham este dinheiro com a venda de seus têxteis, eles pagam pela comida, pela casa, pela vida diária, mas também investem”, diz Michel, que também co-criou um novo documentário sobre as mulheres. 

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fontes: BBC, National Centre for Scientific Research

ANÚNCIO