ID2299: A galáxia que está a beira do colapso

ANÚNCIO

Depois que todo o seu gás formador de estrelas se esgota, e todas as suas estrelas se queimam, uma galáxia morre. Um dia, isso também acontecerá com a Via Láctea.

ID2299: A galáxia que está a beira do colapso
Foto: (reprodução/internet)

Até hoje, os astrônomos nunca haviam testemunhado uma galáxia distante em seu l’eito de morte’. Entretanto, observações recentes do Grande Milímetro do Atacama/Submilímetro (ALMA) deram aos astrônomos sua primeira visão de um grande ser galáctico que se aproxima de sua morte.

ANÚNCIO

As descobertas são detalhadas em um estudo publicado na segunda-feira na revista Nature Astronomy, e ajudam os astrônomos em sua compreensão de como as galáxias evoluem ao longo do tempo até sua morte.

ID2299

A equipe de astrônomos por trás do novo estudo tropeçou nesta galáxia moribunda por mero acidente. Como estavam observando uma série de quase 100 galáxias em locais distantes, eles notaram algo estranho na galáxia ID2299.

Embora ALMA, o conjunto de telescópios localizados no norte do Chile, tivesse apenas vislumbrado o ID2299 por alguns minutos, os pesquisadores puderam ver que a galáxia tinha uma cauda de gás que estava sendo ejetada dela. O gás está sendo ejetado a uma velocidade surpreendente, o equivalente a 10.000 sóis por ano. Além disso, ele está removendo 46% do gás frio total da galáxia.

ANÚNCIO
ID2299: A galáxia que está a beira do colapso
Foto: (reprodução/ALMA (ESO/NAOJ/NRAO))

Annagrazia Puglisi, pesquisadora da Universidade de Durham no Reino Unido, e a principal autora por trás do novo estudo, confirmou a “morte” em uma declaração divulgada com a pesquisa:

“Esta é a primeira vez que observamos uma galáxia típica de formação massiva de estrelas no Universo distante prestes a ‘morrer’ por causa de uma enorme ejeção de gás frio”, disse Puglisi.

O que sabemos até agora

A galáxia está localizada a 9 bilhões de anos-luz da Terra, o que significa que ela existia numa época em que o Universo tinha apenas 4,5 bilhões de anos (os cientistas acreditam que o Universo foi formado há 13,8 bilhões de anos).

Durante esse tempo, a formação estelar em galáxias estava a um ritmo muito mais elevado do que é hoje. A galáxia ID2299 está formando estrelas centenas de vezes mais rápido do que nossa Via Láctea e, portanto, o gás que permaneceu na galáxia será rapidamente consumido à medida que mais estrelas continuem a nascer.

Leia mais: Tudo sobre a aeronave de propulsão nuclear que vai explorar Júpiter

Como resultado, a galáxia irá enfrentar sua extinção final em apenas algumas dezenas de milhões de anos.

Por que galáxias são extintas?

Embora não estejam certos da causa da ‘morte’, a equipe de astrônomos por trás do estudo acredita que a morte prematura da galáxia foi provocada pela colisão entre duas galáxias, que se fundiram para formar o ID2299.

O sinal indicador de que houve uma colisão galáctica foi uma “cauda de maré”. As caudas de maré são um fluxo alongado de estrelas e gás que se estendem para fora de uma galáxia fundida depois que duas galáxias colidiram uma na outra para formar uma.

Leia também: Uma nova partícula quântica pode ter sido acidentalmente descoberta

Embora cientistas tenham sugerido anteriormente que estas caudas de marés se formam a partir do processo de formação de estrelas e da atividade dos buracos negros no centro da galáxia, as observações recentes do ID2299 sugerem que as caudas de gás formador de estrelas também podem ser o resultado de uma fusão galáctica.

Portanto, os autores por trás do novo estudo sugerem que observações anteriores de “caudas de maré” em outras galáxias podem ter sido causadas pela colisão de galáxias em vez da formação de estrelas.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fontes: Inverse, Nature Magazine

ANÚNCIO