O quasar mais distante já encontrado esconde um buraco negro supermassivo, cientistas dizem

ANÚNCIO

Em uma descoberta revolucionária, os cientistas encontraram o quasar mais distante ainda conhecido – e é o lar de um buraco negro de tamanho surreal.

O quasar mais distante já encontrado esconde um buraco negro supermassivo, cientistas dizem
Foto: (reprodução/internet)

Astrônomos liderados por pesquisadores da Universidade do Arizona avistaram o brilhante quasar a cerca de 13,03 bilhões de anos-luz da Terra. Os quasares estão entre os objetos mais brilhantes do universo e são núcleos galácticos luminosos e ativos, alimentados por buracos negros supermassivos que se alimentam ativamente de material próximo.

ANÚNCIO

Quando este material é sugado, os quasares liberam raios ultra-brilhantes de radiação eletromagnética. Os cientistas suspeitam que estes objetos brilhantes e ultramassivos podem na verdade ser um estágio evolutivo para algumas galáxias. Na verdade, os cientistas estimam que, em média, o buraco negro deste quasar em particular ingere uma quantidade de massa equivalente a 25 sóis a cada ano.

Este quasar, chamado J0313-1806, pode ser datado de apenas 670 milhões de anos após o Big Bang (o universo nesta época era apenas 5% de sua idade atual), tornando-o o mais distante e mais antigo quasar jamais encontrado. Este quasar também abriga um buraco negro supermassivo que tem uma massa igual a 1,6 bilhões de nossos sóis.

Um quasar que bate recordes

Enquanto este novo quasar é surpreendentemente antigo e distante, as observações da equipe também mostraram evidências de que há um vento de gás superaquecido fluindo em torno do buraco negro, com este gás viajando a um quinto da velocidade da luz, de acordo com uma declaração. 

ANÚNCIO
O quasar mais distante já encontrado esconde um buraco negro supermassivo, cientistas dizem
Quasar.Foto: (reprodução/NASA, ESA e J. Olmsted, STScI)

Se este vento forte de quasar vindo do quasar mais distante já visto não foi suficientemente interessante, a equipe também encontrou atividade de formação de estrelas ativa na galáxia, sustentando o quasar.

Estima-se que J0313-1806 criará cerca de 200 massas solares a cada ano, em comparação com a massa solar de nossa Via Láctea, uma por ano, de acordo com a declaração.

“Esta é uma taxa relativamente alta de formação estelar, semelhante à observada em outros quasares de idade semelhante, e nos diz que a galáxia hospedeira está crescendo muito rapidamente”, disse o autor principal Feige Wang, do Steward Observatory da Universidade do Arizona, na mesma declaração.

Investigação de Quasar

Por causa de sua estreita relação, os cientistas pensam que, estudando quasares, podem aprender mais sobre como os objetos vieram a ser e como os buracos negros supermassivos realmente se comportam.

Enquanto este quasar é apenas 20 milhões de anos-luz mais distante da Terra do que o último quasar que recebeu o título de “quasar mais distante”, o novo buraco negro superassivo do detentor do recorde é cerca de duas vezes mais pesado que o de seu predecessor. Este detalhe poderia mudar a forma como os cientistas entendem a relação entre estes objetos cósmicos super-brilhantes e super-brilhantes.

Leia mais: ID2299: A galáxia que está a beira do colapso

Quasares como J0313-1806 que já acumularam buracos negros tão imensamente maciços em tão pouco tempo no início do universo confundiram os cientistas durante anos. Enquanto os buracos negros podem ser criados quando as estrelas explodem em supernovas e colapsam e buracos negros menores podem se fundir, eventualmente acumulando massa, estes ultra-massivos quasares do início do universo permanecem misteriosos. 

O que os cientistas esperam

Com este “novo” quasar para estudar, esta equipe está se estreitando sobre como um buraco negro tão supermassivo poderia ter ganho tanta massa e se formado em tão curto espaço de tempo. O buraco negro do quasar é muito maciço para ser explicado por algumas teorias anteriores. 

Leia também: Astrônomos localizam a galáxia mais antiga e mais distante do universo

Na verdade, a equipe pensa que, mesmo que o buraco negro se formasse já 100 milhões de anos após o Big Bang e crescesse o mais rápido possível, ele ainda seria apenas 10.000 vezes mais maciço que nosso sol – e é 1,6 bilhões de vezes mais maciço.

A equipe espera encontrar mais quasares “nascidos” nesta mesma época no início do universo para ajudá-los a explorar mais e entender melhor como tais objetos maciços e poderosos vieram a ser. 

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fontes: Space, The University of Arizona

ANÚNCIO