Mudando o comportamento dos pássaros

ANÚNCIO

A visão de uma cacatua com crista de enxofre atacando uma lata de lixo doméstica pode fazer pouco mais do que irritar a pessoa média que resta para limpar a bagunça. 

No entanto, para os pesquisadores do projeto de ciência cidadã Big City Birds, é uma demonstração emocionante de como os pássaros estão se adaptando a um ambiente em mudança.

ANÚNCIO

Temos relatos de pássaros brincando e forrageando de maneiras incomuns e inovadoras, o que nos dá novos comportamentos realmente interessantes para investigar”, explica a líder do grupo de pesquisa Lucy Aplin, do Instituto Max Planck de Comportamento Animal.

Algumas das espécies de pássaros mais icônicas da Austrália estão sendo forçadas a se adaptar à vida na cidade enquanto os humanos alteram dramaticamente as paisagens por meio do desenvolvimento de terras agrícolas e ambientes urbanos.

Big City Birds está interessada em como cinco espécies estão mudando e enfrentando: a cacatua com crista de enxofre (Cacatua galerita), peru australiano (Alectura lathami), íbis branco (Threskiornis moluccus), pequena corella (Cacatua sanguinea) e long- corella-faturada (Cacatua tenuirostris).

ANÚNCIO

As cinco espécies destacadas são espécies grandes e icônicas que aprenderam a viver dentro e entre os humanos de uma variedade de maneiras que consideramos fascinantes”, diz Aplin.

“Ao nos concentrarmos nessas espécies, esperamos entender como e por que algumas de nossas espécies nativas conseguiram se adaptar a ambientes modificados pelo homem.”

Os pesquisadores sugerem que os dados serão capazes de contar a eles sobre três diferentes aspectos da vida das aves na cidade: como os pássaros estão usando a paisagem, como eles usam os recursos da cidade e sua estrutura populacional e rede social.

“Estamos especialmente interessados ​​em saber se temos evidências de tais comportamentos inovadores em cacatuas, que são famosas por sua inteligência”, explica Aplin.

O projeto, que só foi lançado no mês passado, é uma colaboração entre cientistas da Taronga Conservation Society, da University of Sydney e do Max Planck Institute.

Mudando o comportamento dos pássaros
Foto: (reprodução/ internet)

O co-criador Matthew Hall, da University of Sydney, diz que embora o projeto esteja “em seus primeiros dias“, ele produziu alguns resultados interessantes até agora.

“Eu descobri relatos de perus que se deslocam até 10 quilômetros entre subúrbios particularmente fascinantes”, diz ele. “Como esses pássaros não voam muito, eles precisam caminhar essa distância e lidar com perigos como o tráfego nas estradas.”

Além de relatar um avistamento e alguns comportamentos das aves, os pesquisadores também estão interessados ​​em saber onde as aves se instalaram para a época de nidificação.

“Ver onde as cacatuas da cidade podem encontrar ocos em árvores, íbis constroem seus ninhos ou onde perus-arbustos constroem seus montes é ótimo!” Hall diz. “É como ver um instantâneo de como eles estão sobrevivendo de geração em geração em um ambiente hostil.”

Embora o foco esteja no comportamento, à medida que os pesquisadores marcam os pássaros, eles também encorajam fortemente os relatos de pássaros com as asas marcadas, anilhadas e pintadas.

Relatos de pássaros marcados individualmente nos permitirão investigar como os indivíduos usam a cidade de maneira diferente e são extremamente valiosos para dar uma visão sobre as variáveis ​​sociais e ecológicas que moldam a história natural de cada pássaro”, explica Aplin.

Para participar, tudo o que você precisa é de um telefone ou computador e um olhar atento. Fique de olho em qualquer uma das espécies. Anote várias coisas, incluindo a presença de um pássaro, sua idade e sexo, o que está comendo e como está se comportando. 

Em seguida, relate as descobertas no aplicativo Big City Birds ou por meio do site.

O site tem um guia prático para cada espécie de pássaro, incluindo como saber se eles são adultos, seu sexo e diferentes tipos de comportamento que você deve observar, como alisar, agressão a outros pássaros e brincadeiras

Embora estejam particularmente interessados ​​nas cinco espécies, eles também encorajam relatos de outras espécies como comparação. Também não há limite para a frequência de sua denúncia; os pesquisadores dizem o máximo possível.

“Ao nos concentrarmos nessas espécies, esperamos entender como e por que algumas de nossas espécies nativas conseguiram se adaptar a ambientes modificados pelo homem”, explica Aplin. 

“Ao estudar essas histórias de sucesso, podemos construir um amplo entendimento que podemos aplicar para ajudar as espécies que não tiveram tanto sucesso.”

Leia Também:As algas que inundam o Oceano Atlântico

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte:  Cosmos Magazine

ANÚNCIO