O que você vê nesta foto diz mais sobre você do que o canguru

ANÚNCIO

Foi uma fotografia que tocou o mundo. Um retrato íntimo de uma mãe canguru moribunda sendo suavemente embalada por seu companheiro, enquanto com seu último suspiro ela estendeu a mão para acariciar seu bebê inocente.

No entanto, ao que parece, não é isso que a foto mostra. Como um especialista australiano apontou rapidamente, ao invés de proteger a fêmea, o macho parece estar tentando acasalar com ela, segurando-a perto para afastar qualquer rival. Na verdade, suas atenções indesejadas podem até ter levado à morte dela.

ANÚNCIO

O que você viu aqui? Provas de que criaturas selvagens são capazes de empatia – que, assim como nós, elas têm sentimentos? Ou exatamente o oposto: que os animais explorarão qualquer situação para sua satisfação sexual, no que não é mais do que um ato vicioso de estupro?

Ambas as interpretações revelam muito mais sobre nós do que sobre os cangurus. A extensa cobertura da imprensa e os comentários que os acompanham criticando os cientistas por explicar o que realmente estava acontecendo, são exemplos clássicos de como queremos que as criaturas selvagens sejam como nós – uma falácia conhecida como antropomorfismo.

O canguru em fotos de ‘luto‘ pode ter matado enquanto tentava acasalar, diz o cientista

ANÚNCIO

Obviamente, é perfeitamente natural esperar que o resto do reino animal compartilhe as mesmas maneiras de pensar e sentir sobre o mundo que nós. Desde que os seres humanos observaram seus semelhantes, nós os dotamos com nossas próprias emoções – e continuamos a fazê-lo hoje.

Então os golfinhos têm um sorriso permanente em seus rostos. Os cães parecem amigáveis, enquanto os gatos parecem arrogantes e indiferentes. 

E os animais bebês são sempre fofos. Isso é algo que Walt Disney percebeu quando transformou o Mickey Mouse, originalmente parecido com um rato, em um personagem muito mais atraente – simplesmente tornando sua cabeça e olhos maiores e, portanto, mais infantis.

A literatura está repleta de exemplos de antropomorfismo, especialmente em histórias infantis, de The Wind in the Willows a Watership Down. George Orwell sabia o quão poderoso isso poderia ser, daí seu uso de personagens animais para fins satíricos em Animal Farm.

Os escritores da natureza, no entanto, evitam o antropomorfismo como a proverbial praga. 

De fato, durante a segunda metade do século 20, o gênero da escrita da natureza praticamente desapareceu, pois seus proponentes foram tão intimidados pelo domínio da ciência objetiva que não ousaram escrever sobre criaturas selvagens, por medo de serem acusados ​​de dar-lhes humanos traços.

Os cineastas da vida selvagem enfrentam um problema diferente. Concentrando-se nos aspectos aparentemente humanos dos animais – leões orgulhosos, tubarões impiedosos e lindos ursos coala – eles conquistam um grande público. 

Mas, ao mesmo tempo, eles correm o risco de perder credibilidade entre uma minoria de espectadores, que consideram essa abordagem superficial e imprecisa.

Isso tem duas consequências importantes. A primeira é que aquelas criaturas que nos lembram de nós mesmos – seja de forma positiva, como ursos, ou negativamente, como tubarões – ganham um tempo de tela desproporcional, à custa de espécies igualmente importantes, mas menos atraentes, como os insetos. 

Isso também significa que as complexidades reais do comportamento animal são frequentemente simplificadas ao ponto da imprecisão.

Uma recente tentativa louvável de restabelecer o equilíbrio, BBC1’s The Hunt, mostrou uma imagem muito mais precisa e matizada da relação entre predadores e suas presas do que normalmente nos é dado. Previsivelmente, junto com o elogio justificado a uma série impressionante, veio uma série de reclamações de pais cujos filhos ficaram chateados ao ver animais sendo mortos.

Mas mesmo quando sabemos a verdade, isso não nos impede de continuar a imputar os sentimentos e emoções humanos aos animais – como revela o debate contínuo sobre a imagem do canguru. Ironicamente, essa capacidade de antropomorfismo pode ser uma das coisas que, em última análise, nos torna humanos.

Leia Também:Desvendando segredos universais

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: The Guardian

ANÚNCIO