O rover da NASA que passou 3.000 dias em Marte

ANÚNCIO

A Agência Espacial Americana (Nasa) está prestes a colocar seu último rover, chamado de Perseverance, em Marte. Mas não devemos esquecer que o robô existente, o Curiosity, ainda está lá e funcionando bem após seu pouso na cratera equatorial de Gale, em 2012. 

O rover da NASA que passou 3.000 dias em Marte
Foto: (reprodução/NASA/JPL-CALTECH/MSSS)

O Curiosity celebra 3.000 dias na superfície do Planeta Vermelho, na terça-feira. A Equipe de Ciência da Missão coletou uma série de fotos que registram algumas das principais realizações do Rover.

ANÚNCIO

Quando recebemos estas imagens em junho de 2018, foi um grande alívio para a equipe, apesar de ter sido uma época bastante poeirenta em Marte. Isso porque marcou o reinício das operações de perfuração pelo rover. “Duluth” foi a primeira amostra de rocha perfurada com sucesso desde outubro de 2016

Como são os eclipses em Marte?

Duas vezes a cada ano marciano, perto dos equinócios sazonais, os caminhos das luas marcianas que Fobos e Deimos cruzam em frente ao Sol, como visto pelo Curiosity. O trânsito durou cerca de 35 segundos.

 O momento preciso do trânsito medido em observações como esta ajuda os cientistas a entender as interações das marés entre Fobos e Marte.

ANÚNCIO

Leia também: Astrônomos detectam possível emissão de rádio em um Exoplaneta

A pequena quantidade de vapor de água na atmosfera fina de Marte pode formar nuvens, especialmente nas épocas mais frias do ano e em torno de picos altos. O Curiosity tem observado nuvens finas muitas vezes em sua missão. 

Mas no Sol 2410, foi possível observar um tipo especial de nuvem que se forma em altitudes muito elevadas, neste caso cerca de 31 km acima da superfície. Estas nuvens são chamadas de “noctilucentes” porque permanecem iluminadas pelo sol mesmo após o pôr-do-sol ter ocorrido na superfície.

Terra e Vênus

No Sol 2784, o Curiosity fez uma pausa para capturar um “retrato de família” da Terra e de seus vizinhos planetários. O primeiro plano mostra um penhasco em Marte; enquanto no céu, pode-se ver tanto Vênus quanto a Terra aparecendo como estrelas no poeirento céu noturno.

O rover da NASA que passou 3.000 dias em Marte
Foto: (reprodução/NASA/JPL-CALTECH/MSSS)

Além disso, no verão de 2020, a equipe científica do Curiosity começou a conduzir o rover em direção a uma nova e mais alta região no Monte Sharp, onde explorará rochas ricas em minerais sulfatados. Como o Monte Sharp foi formado à medida que camadas de sedimentos eram depositadas pela água e pelo vento, as rochas se tornam mais jovens com a altura. 

Leia mais: Lixo espacial é a prova da civilização alienígena, diz professor de Harvard

Os minerais sulfatados nesta região podem ter se formado porque Marte passou de condições mais úmidas – boas para formar minerais argilosos – para condições mais secas que poderiam deixar para trás sais como sulfatos.

A sondagem do rover

Todos nós conhecemos Marte como o Planeta Vermelho, vemos isso no céu noturno. No entanto, uma vez que perfuramos apenas uma pequena profundidade para o interior, Marte pode ser muito diferente. 

“Já perfuramos com sucesso 29 vezes e os sedimentos mostram uma gama de tonalidades desde o ocre-vermelho até o azul-cinza, refletindo os minerais e fluidos que passaram através das rochas antigas. A perfuração nos permite atravessar a superfície mais oxidada e oxidada que foi mais exposta à radiação cósmica”, diz a equipe do Curiosity.

Traduzido e editado por equipe: Isto é Interessante 

Fontes: BBC, NASA

ANÚNCIO