Um câncer facial altamente contagioso pode não acabar com os demônios da Tasmânia

ANÚNCIO

Os demônios da Tasmânia deveriam estar extintos agora. Com um câncer facial mortal e altamente contagioso dilacerando as populações de demônios, as previsões da última década representaram uma condenação iminente para o icônico marsupial.

Apenas 25.000 ou mais demônios (Sarcophilus harrisii) permanecem, abaixo dos cerca de 150.000 na década de 1990, mas uma nova análise oferece esperança. A doença do tumor facial do demônio se tornou muito menos transmissível desde o pico da epidemia, sugerindo que ela não exterminará a espécie, relataram os pesquisadores na edição de 11 de dezembro da Science.

ANÚNCIO

Em vez disso, a doença pode persistir em níveis mais baixos, ou “o próprio tumor pode eventualmente se extinguir”, diz Andrew Storfer, geneticista evolucionista da Washington State University em Pullman.

Storfer e seus colegas reconstruíram a história da propagação do tumor, analisando as mudanças nos genes do tumor que evoluem de maneira regular, semelhante a um relógio. Amostras de 51 tumores datados de 2003 ajudaram a calibrar essa linha do tempo.

Embora a doença tenha sido descoberta em 1996, o estudo descobriu que provavelmente se originou anos antes, nos anos 80, circulando lentamente no início. Em seu pico no final dos anos 90, cada demônio aflito infectava 3,5 outros demônios, em média, geralmente por meio de mordidas. Recentemente, esse número caiu para um, sugerindo que a epidemia pode diminuir.

ANÚNCIO

A desaceleração pode resultar do declínio da população – menos diabos significa menos oportunidades de transmissão para uma doença que se espalha mais rapidamente em grupos densos. Além disso, o próprio tumor pode ter se tornado menos transmissível; os pesquisadores identificaram alguns genes que podem estar na base dessa mudança. Por fim, os próprios demônios parecem ter desenvolvido resistência à doença.

Mas demônios ainda estão em perigo e alguns especialistas querem introduzir animais criados em cativeiro para aumentar o número. Isso pode sair pela culatra, diz Storfer, ao permitir que a doença decole novamente. “Parece chato, mas não fazer nada pode ser a melhor opção para os demônios.”

Leia Também: Passarinho bebês ganham resistência quando seus pais as chutam do ninho

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Science News

ANÚNCIO